Make your own free website on Tripod.com

Notícias de Maio

31/05

Corinthians com um pé na decisão
fonte: Gazeta Esportiva

Demorou, mas aconteceu. O Corinthians começou ontem a se vingar da eliminação na Libertadores de 99. Numa partida de sete gols em que a emoção esteve sempre presente, o Timão venceu o Palmeiras por 4 a 3 e joga pelo empate na próxima semana, para ir à final.
O Corinthians começou arrasador, com seu ataque leve e rápido. Marcelinho estava inspirado e logo serviu Edu, que deixou Ricardinho na cara do gol, aos 14 minutos. Ele só teve o trabalho de ir para os braços da Fiel. O gol acordou o Verdão. Júnior aproveitou o espaço deixado pela defesa, chutou forte, a bola desviou em Fábio Luciano e entrou. Era o empate, aos 39.
No final do 1º tempo, Marcelinho arriscou o chute, a bola desviou em Argel e tirou Marcos da jogada. Timão 2 a 1.
No segundo tempo, Felipão deu uma sacudida em sua equipe. O Palmeiras voltou melhor, assustando com freqüência o gol de Dida. Mas, aos 10, num descuido da defesa verde, Edu cruzou na medida para Edílson ampliar a vantagem corintiana. Parecia o fim do Verdão.
Foi quando surgiu Alex. Aos 30, ele recebeu de Júnior e marcou de cabeça. Sete minutos depois, Euller bateu cruzado, Fábio Luciano tentou tirar, mas colocou dentro do seu gol. Tudo igual. O jogo continuava eletrizante. Nos descontos, Vampeta encheu o pé, a bola desviou e encobriu Marcos. Para delírio da Fiel.

Ficha técnica - Corinthians 4 x 3 Palmeiras
fonte: Gazeta Esportiva

Corinthians 4
Dida; Daniel (Índio), Fábio Luciano, Adílson e Kléber (Édson); Vampeta, Edu, Ricardinho e Marcelinho Carioca; Edílson e Luizão (Dinei) Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Palmeiras 3
Marcos; Neném, Argel, Roque Júnior e Júnior; César Sampaio, Galeano, Rogério (Marcelo Ramos) e Alex; Euller e Pena Técnico: Luiz Felipe Scolari. Local: Morumbi.

Data: 30/5/2000. Horário: 21h40.
Árbitro: Edílson Pereira de Carvalho.
Assistentes: Válter J. Reis e Ednílson Corona.
Renda e Público: Não divulgados.
Gols: Ricardinho, aos 14, Júnior, aos 39, e Marcelinho Carioca, aos 45 do primeiro tempo; Edílson, aos 10, Alex, aos 30, Euller, aos 37, e Vampeta, aos 45 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Adílson, Daniel, Édson e Luizão (Corinthians); Marcelo Ramos (Palmeiras).

Marcelinho faz a Fiel sorrir no Morumbi
fonte: Gazeta Esportiva

Marcelinho estava com dores no tornozelo direito até pouco antes do clássico contra o Palmeiras, pelas semifinais da Copa Libertadores. Mas as dores parecem ter desaparecido durante os noventa minutos do confronto. Ao final do jogo, Marcelinho estava feliz. Afinal, o seu Corinthians havia vencido a primeira batalha por 4 a 3, um dos gols feito pelo Pé de Anjo. Aliás, o meio-campo do Corinthians esteve muito bem no jogo. Ricardinho e Vampeta fizeram um gol cada. O volante Edu, por sua vez, deu o passe para dois gols do Corinthians.
Marcelinho, entretanto, destoou positivamente dos companheiros. Assim que o juiz apitou o início do jogo, lá estava Marcelinho brigando pela bola. Invertendo posição constantemente, dava muito trabalho para os laterais Junior e Neném, que tentavam parar o Pé de Anjo. Entretanto, Marcelinho quase complicou sua atuação pelo nervosismo, menos acentuado no segundo tempo. Na primeira etapa, por mais de uma vez, discutiu com o zagueiro Argel e até xingou o juiz.
Salvador —O volante Vampeta foi outro obstinado dentro de campo. Quase no final do jogo, quando o torcedor já se conformava com o empate, lá estava ele. Já nos acréscimos, o volante chutou da entrada da área, forte, a bola desviou em Roque Junior e encobriu Marcos. Era a vitória corintiana. Na comemoração, para talvez descarregar a adrenalina, o volante corintiano não teve dúvidas: deu um bico numa placa de publicidade.
“Foi um grande jogo, mas ainda não conseguimos nada”, afirmou Vampeta, se referindo ao jogo de volta, na próxima terça-feira. “Pecamos por não saber segurar a bola”, disse o volante. “O Palmeiras tem grandes jogadores, como Alex e Júnior, por isso não há retranca”.

Infiltração defendida por médicos
fonte: Gazeta Esportiva

Depois de perder por 2 a 1 para o São Paulo no último domingo, o meia Marcelinho ressaltou que devido às fortes dores no pé direito, tomou uma infiltração para se recuperar logo do incômodo. O tratamento permitiria ao jogador enfrentar o Palmeiras pelas semifinais da Libertadores.
Com isso, ressurgiu a polêmica. Esse tipo de tratamento é válido no futebol? Não prejudica o atleta futuramente? Essas perguntas foram respondidas por quatro especialistas, os médicos Osmar de Oliveira, Paulo Zogaib, Ricardo Nahas e Moisés Cohen.
Paulo Zogaib garante que uma infiltração não causa nenhum problema para o jogador. “A infiltração isolada não representa nenhum risco. O que não pode acontecer é uma série delas, porque senão acaba agredindo a estrutura local, que pode ficar um pouco enfraquecida. Pode ter como conseqüência a ruptura de um ligamento ou tendão.” Estima-se que o recomendável seriam, no máximo, três infiltrações por mês.
Para Zogaib esse é considerada uma rotina no futebol. “É um procedimento terapêutico como outro qualquer ”. Segundo ele, o que causaria problema é a infiltração com corticóide, um tipo de medicação.
O médico Osmar de Oliveira tem a mesma opinião de Zogaib. “Joaquim Grava só fez isso com o Marcelinho para tirar o processo inflamatório.” Ele também disse que “dentro da ortopedia esse processo é feito com muita segurança.”
Osmar também condena o uso repetitivo do medicamento. “O que não pode acontecer é a infiltração repetida, como aconteceu com o Garrincha. Pode até haver lesões de cartilagem.”
De acordo com o médico Ricardo Nahas, da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte, não é errado utilizar a infiltração. Segundo ele, entretanto, parte da literatura médica sobre o assunto condena qualquer prática de infiltração. “A justificativa é a deterioração do tecido que recebeu a medicação”, afirmou Nahas. “De qualquer forma, a infiltração acontece de acordo com a avaliação e o diagnóstico de cada médico”, completou.
Moisés Cohen, que chefia o Centro de Traumatologia do Esporte da Escola Paulista de Medicina, afirmou que a infiltração não é aceitável se for aplicada dentro da articulação. “Mas ao redor, por exemplo, é um procedimento que pode ser usado”, afirmou.
De acordo com o médico, a aplicação dentro da articulação por diversas vezes pode causar, além da degeneração, a entrada na articulação de bactérias, que podem causar uma espécie de artrite.

Preparador físico prefere o descanso
fonte: Gazeta Esportiva

Com compromissos seguidos pelo Campeonato Paulista, Copa Libertadores da América e Copa do Brasil — foram 14 partidas em um mês, o preparador físico Antônio Mello procura dar um descanso para o elenco corintiano.
“Nessas horas, é preciso apenas receitar uma boa alimentação, repouso e exercícios leves, como alongamentos na bicicleta ergométrica e musculação controlada”, explicou Mello.
O preparador físico disse que a equipe se encontra muito bem fisicamente. “As condições gerais são muito boas. A prova maior é que durante esse período só tivemos um jogador — o meia Luís Mário — contundido, mas que se recuperou em 15 dias. Estamos no caminho certo.”
Mello aproveitou para esclarecer uma confusão bastante comum. “A maioria confunde desgaste físico com falta de condicionamento. Desgaste é quando acontece o acúmulo de partidas seguidas.”
Para comprovar sua tese, ele ressalta o jogo contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte. “Os jogadores corintianos souberam administrar a correria”. Ele também destacou que o time cresce no segundo tempo.

CBF confirma novo local e horário
fonte: Gazeta Esportiva

A CBF alterou a data e o local do jogo contra o Botafogo-RJ, que vai acontecer amanhã e será válido pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil. A partida que inicialmente estava marcada para o Pacaembu às 21h40, foi alterado para o Canindé, às 21h50.
O Corinthians precisa vencer por diferença de dois gols, já que perdeu por 1 a 0, no Maracanã. A vitória por diferença de um gol leva a decisão para os pênaltis.
O problema é que o treinador Oswaldo de Oliveira, como aconteceu na primeira partida, deve poupar vários titulares. Por isso, o volante Gilmar está cotado para enfrentar a equipe carioca.
Ingressos — A partir das 13 horas de hoje, no Parque São Jorge e no Pacaembu, começam a ser vendidos os ingressos para o jogo de sábado entre Corinthians e São Paulo, válido pela segunda partida das semifinais do Paulistão. Os preços: arquibancada superior azul e vermelha R$ 10; arquibancada superior laranja e vermelha, R$ 5; cadeira cativa R$ 10; cadeira especial superior azul R$ 20 e cadeira especial laranja e amarela R$ 15,00. Estudantes pagam meia nas arquibancadas. Amanhã e sexta, os ingressos serão vendidos no Pacaembu, Parque São Jorge e Morumbi, a partir das 9 horas.

30/05

É guerra! defesa x ataque
fonte: Gazeta Esportiva

De um lado, um ataque vertiginoso; do outro uma defesa compacta. Corinthians e Palmeiras prometem fazer um jogo eletrizante para ficar na história do futebol brasileiro. Os dois maiores rivais do futebol paulista vão duelar às 21h40, no estádio do Morumbi. Esta é a primeira vez que ambos se enfrentam pela fase semifinal da Copa Libertadores.
A disputa desta noite, no entanto, é apenas um aperitivo de 180 minutos. O jogo de volta está marcado para a próxima terça-feira, no Morumbi. A partida ganhou uma pitada a mais de pimenta, já que o Verdão eliminou o Timão, nas quartas-de-final, em 99. Por isso, o jogo é tratado como uma verdadeira guerra, mas apenas dentro de campo.
Os corintianos estão encarando essa partida como uma dos mais importantes, já que pode apagar o conceito de que o Timão conquistou o Mundial sem ter sido campeão da competição sul-americana. A importâcia é tanta que os jogadores admitiram que no último domingo, contra o São Paulo, a cabeça estava voltada para esta noite, embora o clube esteja disputando a semifinal do Paulista. “Vários jogadores se pouparam. Não se deram ao máximo. Estavam mais preocupados com o jogo de terça-feira (hoje), que é o da nossa vida e também do Corinthians, que disputa um título inédito, que é a Libertadores”, constata Luizão. O meia Marcelinho compartilha da opinião do atacante. “Ficou claro que faltou vontade. Todo mundo mostrou que estava com a cabeça voltada para o Palmeiras,” disse.
O próprio Pé de Anjo vai jogar no sacrifício. Ele recebeu uma infiltração no pé direito. “Temos que esquecer de tudo. Para ver o Corinthians na final vale qualquer coisa”. Luizão também não está ligando para a contusão no tornozelo direito. “Jogar esta partida não é sacrifício. É um grande prazer. Muitas equipes gostariam de estar no nosso lugar.” Ele tem um motivo a mais. Se fizer um gol entra para a história do futebol como o jogador brasileiro que mais marcou gols. Atualmente ele tem 13, o mesmo número de gols que fez Palhinha jogando pelo Cruzeiro, em 1976. “Isso também é meu objetivo na Libertadores.”
Se o Corinthians aposta no seu ataque, o Palmeiras tem o antídoto para parar o veneno adversário. A defesa alviverde conta com jogadores de alto nível, prontos para brecar a fúria corintiana.
Marcos, Argel, Roque Júnior, Júnior, César Sampaio e Rogério garantem que o ataque corintiano não terá facilidade. “O jogo vai ser uma guerra, uma guerra de futebol”, ataca Argel. Visivelmente contrariado, o zagueiro faz coro com o técnico Felipão, e admite o favoritismo do rival. “O Palmeiras começou o ano desacreditado e não vai ser agora que vai mudar. Agora, dentro de campo, a história é outra”, provoca. Roque Júnior admite que o ataque é o ponto forte do Corinthians, mas acrescenta que o Verdão tem jogadores de qualidade. “O Palmeiras também tem jogadores que podem decidir”, disse.

Ficha técnica do jogo
CORINTHIANS
Dida; Daniel, Fábio Luciano, Adilson e Cléber; Vampeta, Edu, Ricardinho e Marcelinho; Edílson e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

PALMEIRAS
Marcos; Neném, Argel, Roque Júnior, Júnior; Galeano, César Sampaio, Rogério e Alex; Euller e Pena. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi), São Paulo (SP).
Data: 30/05/2000.
Horário: 21h40h.
Árbitros: Edílson Pereira de Carvalho.
Assistentes: Valter reis e Edílson Corona.

Entalado na garganta
fonte: Gazeta Esportiva

O Palmeiras pode pagar com juros e correção monetária por ter eliminado o Corinthians das quartas-de-final da Libertadores do ano passado, ganhando a vaga nos pênaltis por 4 a 2. Um ano e 18 dias depois do fracasso, os corintianos ainda não esqueceram o fatídico dia 12 de maio de 1999.
“Aquela derrota está engasgada em nossa garganta até hoje”, lembra o meia Marcelinho. “Todo mundo comenta o que aconteceu até agora, mas dessa vez vai ser diferente”, constata o capitão corintiano. “A rivalidade entre os dois times sempre existiu e com isso dá até mais vontade de enfrentar o Palmeiras”, garante.
Outro que continua sofrendo com a eliminação do ano passado é o atacante Dinei, que assim como Vampeta, perdeu um pênalti decisivo, deixando o Verdão livre para conquistar a Libertadores. “Fui um dos causadores da eliminação do Corinthians. Não vejo a hora de dar o troco”, promete.
O camisa 18 corintiano ressalta que, por causa daquele pesadelo, ficou um bom período refletindo. “Fiquei uns dois meses só pensando naquilo que tinha acontecido. A eliminação ficava sempre na minha cabeça. Não conseguia pensar em outra coisa.”
Dinei garante que desta vez a história será diferente. “Eu sofri muito com aquele fato, porque todos sabem que eu sou corintiano de coração. O homem lá de cima (Deus) está dando outra oportunidade para a gente.”
Até o zagueiro Adílson, que não participou dos jogos decisivos no ano passado — jogava no Jubilo Iwata, do Japão — também entrou no clima de decisão.
“Eu não estava jogando ano passado, mas sei que agora vai ser diferente.” Ele até brincou com o seu amigo, o técnico Luiz Felipe Scolari, do Verdão. “Ele já ganhou duas Libertadores: uma pelo Grêmio e outra com o Palmeiras. Está muito bom, agora deixa a gente ganhar uma.”
O xerifão corintiano, que conhece o comportamento de Scolari desde os tempos de Grêmio, explica como fica o treinador. “Para ele, jogo de Copa Libertadores é como se fosse Copa do Mundo, é o famoso prato de comida”.
Vampeta não leva o clima de revanchismo para o campo. “Sinto apenas muita ansiedade”. Ele não guarda ressentimentos pelo pênalti desperdiçado. “Só perde quem bate”, discursa. “Se estamos disputando a Libertadores este ano, eu também contribui para isso acontecer novamente”.
Ele vê até um aspecto positivo. “Neste ano quem passar vai disputar a final”. Parece que o camisa 5 do Timão aprendeu uma lição. “Prefiro que a equipe jogue mal as duas partidas e consiga a vaga para a final do que jogar bonito e ficar sem ela. Foi o que aconteceu com a gente ano passado. Fomos bem nos dois jogos e perdemos no final.”

Vampeta queria ser onipresente
fonte: Gazeta Esportiva

Alegria e tristeza ao mesmo tempo. Foi assim a reação do volante Vampeta, que foi convocado para a Seleção Brasileira junto com o goleiro Dida para enfrentar o Peru, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2002.
Feliz pela convocação, mas triste por estar fora da semifinal do Paulistão. “Queria estar nos dois lugares ao mesmo tempo, mas é impossível”, disse. Ele aproveitou para criticar o calendário brasileiro. “Na Europa, quando as seleções jogam, os campeonatos param.”
Projeto — O presidente Alberto Dualib lançou ontem o projeto “Corinthians 90 anos” para comemorar o aniversário do clube, em setembro, mas não deu pistas da construção do futuro estádio. Ele antecipou apenas que uma empresa norte-americana, vinculada à parceira Hicks Muse, ainda não concluiu os estudos de viabilidade. Segundo ele, nem o terreno foi escolhido.
Quanto ao projeto de marketing, o diretor da área, Marcos Caruso, explicou que serão desenvolvidos ousados esquemas publicitários e comerciais, sem contar a TV Corinthians.
Enquanto isso, Dualib se recusou a comentar os conflitos políticos reaquecidos pela oposição, que, apesar do mais recente desfecho judicial favorável ao presidente, o acusa de exercer ilegalmente o cargo. O dirigente, irritado, chegou a discutir com o repórter de A Gazeta Esportiva.

29/05

Gol no final dá moral para o Timão
fonte: Gazeta Esportiva

O São Paulo jogou melhor, reverteu a vantagem, mas deixou o Corinthians diminuir a derrota para 2 a 1 no último minuto de jogo, ontem, no Estádio do Morumbi.
O gol de Marcos Senna, aos 44 minutos, deixou o Corinthians numa situação não muito complicada. Para se classificar à final do Campeonato Paulista, o Timão só precisa de uma vitória simples no jogo do próximo final de semana.
Marcelinho fez os dois gols do São Paulo, aos 26 e aos 37 minutos do segundo tempo.
Se tivesse conseguido a vantagem de dois gols, o Tricolor complicaria as coisas para o Timão, que também teria de vencer por dois gols. Mas Marcos Senna salvou o alvinegra de uma derrota maior.

Luizão está bem e não culpa Wilson
fonte: Gazeta Esportiva

A grande preocupação do Corinthians após a derrota de 2 a 1 frente ao São Paulo, era a contusão de Luizão. O atacante teve de deixar o gramado após um choque com o zagueiro Wilson.
“Na hora, achei que tinha quebrado o tornozelo (esquerdo). Passou pela minha cabeça a possibilidade de ficar de fora do Paulista e da Libertadores. Não estava sentindo o meu pé”, disse o atacante, que isentou o zagueiro Wilson de qualquer culpa no lance que originou a contusão.
Apesar de estar com o tornozelo bastante inchado, Luizão garantiu que terá condições de enfrentar o Palmeiras, amanhã, pela semifinal da Copa Libertadores.
Gol salvador —Marcos Senna foi o herói do Corinthians no jogo. O meia fez o gol que deixou o Timão ainda com boas chances mas não quis comemorar muito. “Esta partida tem 180 minutos”, disse.

28/05

Ricardinho esquece o passado
fonte: Gazeta Esportiva

O meia corintiano Ricardinho gosta de jogar contra o rival São Paulo. Pelo menos demonstrou estar bastante à vontade. Contra o Tricolor, no ano passado, ele marcou gols nas duas semifinais em que o Corinthians eliminou o São Paulo, pelos campeonatos Paulista e Brasileiro.
Entretanto, o craque procura esquecer o retrospecto positivo na tarde de hoje, caso seja confirmada sua escalação pelo treinador Oswaldo de Oliveira para a primeira semifinal do Paulistão 2000. “O que passou, passou. Temos de pensar no presente. Devemos nos preparar para enfrentar o adversário. Se o São Paulo pensa em devolver os resultados negativos, isso é com eles”, afirmou o meia corintiano. Nas duas semifinais de 99 ele foi responsável por marcar três gols.
O camisa 11 do Parque São Jorge tenta se concentrar no presente. E, segundo ele, é justamente esta a fórmula para o Corinthians conseguir o passaporte rumo às finais do Campeonato Paulista. “Hoje em dia, camisa não ganha jogo. São dois clubes de muita tradição”, afirmou Ricardinho.
De acordo com o meia, ignorar o retrospecto positivo não faz com que o Corinthians perca a motivação. “Temos confiança em um bom resultado, mas se não produzir fica complicado”, analisou. O meia diz que o Corinthians deve lutar pela vitória no clássico contra o São Paulo e esquecer a vantagem hoje de atuar por dois empates. “A vantagem tem de ser utilizada no decorrer da partida e não começar a partida pensando nela. O empate pode ser conseqüência”, garantiu Ricardinho. “É uma arma no clássico, mas não decisiva”. O mesmo pensamento tem Marcelinho. “Agora temos que pensar em jogar bola e esquecer a vantagem. Lembrar dela só no fim”, determinou o Pé de Anjo.
O meia acredita, que como todo jogo decisivo, o equilíbrio pode fazer a diferença. “Nessas horas, o equilíbrio pode acabar prevalecendo sobre a técnica, já que o jogo é resolvido nos mínimos detalhes. É preciso muita atenção.”
Marcelinho tem outro desafio nesta reta final do Paulistão: luta para conquistar a artilharia, que atualmente é de França, do São Paulo, com 17 gols.
Sem solução — Além de se preocupar com o adversário, Oswaldo de Oliveira mostra que tem um outro inimigo para combater. “Estamos sendo prejudicados quando tentamos mudar alguns jogos. Existem interesses que fogem da minha alçada”, afirmou o treinador. De acordo com ele, atualmente, o futebol não é decidido levando em conta apenas os aspectos técnicos. “Existem multi-interesses”, constatou.

Edílson aposta no retrospecto
fonte: Gazeta Esportiva

O atacante Edílson acredita que a ‘Síndrome da Semifinal’ pode acabar influindo na partida desta tarde, já que o time do Corinthians eliminou a equipe do São Paulo por duas vezes seguidas: nos campeonatos Paulista e Brasileiro do ano passado.
“Para o São Paulo é mais difícil, já que eles devem ter trauma de jogar outra vez contra o Corinthians. Psicologicamente para a gente é melhor, porque tivemos dois jogos decisivos contra eles e acabamos levando a melhor.”
Além de conseguir bons resultados, o Capetinha também afirma que tem levado sorte em alguns lances. “No último jogo, o Dida acabou defendendo dois pênaltis do Raí”.
O camisa 10 corintiano procurou fazer elogios aos jogadores de defesa do Tricolor, Edmílson e Alvaro. “São muito bons. A defesa também é rápida e o meio-campo tem boa noção de como se posicionar melhor.”
Edílson está cansado com a maratona de jogos, mas tem fôlego para jogar as duas partidas, hoje contra o São Paulo e terça-feira com o Palmeiras. “Já fizemos sacrifícios bem maior do que esse”, lembrou.
Vampeta, conterrâneo de Edílson, acha que o jogo de hoje terá muita importância. “Vivemos isso nas oitavas-de-final da Libertadores, contra o Atlético-MG. O jogo teve 180 minutos. Fizemos um bom resultado lá, e decidimos em casa depois”. Ele ressalta que o time não pode esquecer da vantagem de dois empates.

27/05

Oswaldão cheio de dúvidas
(fonte: Gazeta Esportiva)

Oswaldo de Oliveira declarou durante toda a semana que preferiria enfrentar o Palmeiras, pelas semifinais da Copa Libertadores, na quarta-feira. Não conseguiu ter o seu desejo atendido. O comandante corintiano ainda não decidiu o que fazer na partida contra o São Paulo, pelo Campeonato Paulista: “Vou esperar, analisar a recuperação de alguns jogadores, como o Adílson, por exemplo”. Apesar do mistério, o torcedor que for ao Morumbi domingo talvez veja em campo os principais jogadores corintianos.
Segundo Oliveira, é normal que em momentos decisivos todos os jogadores afirmarem que estão prontos para jogar. A indecisão do treinador fica patente na afirmação de que até o clássico de hoje, entre Palmeiras e Santos, vai servir de observação. “Vou observar tudo que envolve o Palmeiras, que é o nosso adversário na Libertadores”.
Caso a opção seja pela formação reserva, Oswaldo não terá problemas. “Conversei com o departamento médico e eles atletas) estão bem”, declarou. “São jogadores que não atuaram bem, mas estão em uma seqüência boa de partida”, afirmou Oliveira, lembrando dos zagueiros Batata e João Carlos, por exemplo.
Oswaldo de Oliveira não descarta até a participação do goleiro Dida no clássico contra o São Paulo. O jogador, que está na Europa com a Seleção Brasileira, chegará em São Paulo amanhã. “Ele será avaliado também”. Aos jogadores corintianos resta aguardar a decisão de Oswaldo de Oliveira. “Eu sou Corinthians. O que o Oswaldo decidir, eu vou acatar”, declarou o zagueiro Adílson, que vem sendo poupado para atuar apenas nas partidas da Copa Libertadores. “Por hora, vou fazer o que a comissão mandar”, afirmou. Ricardinho atéarriscar um prognóstico sobre a escalação, mas nada que elucide o mistério. “Na minha opinião, nossa equipe tem de estar preparada para os dois jogos”, afirmou o enigmático meiado Timão.

Fiel quer mistão contra o São Paulo
(fonte: Gazeta Esportiva)

Quem foi assistir ao treino do Corinthians, ontem, no Parque São Jorge, tem opinião formada sobre o time que deve enfrentar o São Paulo pelo Campeonato Paulista: mistão. É como pensa o estudante William Tanaka, de 17 anos. “Tem que entrar com um time misto, visando o jogo de terça-feira, pela Libertadores, que é mais importante”.
Cecília Facchola, 20, concorda. “Paulistão a gente já tem um monte”, disse ela. “O jogo que não podemos perder será contra o Palmeiras”.
A doméstica Sueli Assis Pacheco, de 50 anos, e seu marido, João Alves de Freitas, porteiro, de 48 anos, também querem ver time misto amanhã. “Não precisa de titular domingo. Já temos muitas taças de campeão paulista. O que importa é a partida terça-feira. Temos que ganhar do Palmeiras de qualquer jeito”, discursou João. O único que quer os titulares amanhã e terça é o segurança Gonçalo Cavalcanti, de 20 anos. “Para nós, o 24º título paulista também será inédito. Vale o sacrifício”

Dida está quase fora
(fonte: Gazeta Esportiva)

O goleiro Dida está mesmo com os dias contados no Corinthians. Adriano Gallini, vice-presidente do Milan, que é dono do passe do jogador, confirmou que quer mesmo o camisa 1 de volta. “Dida vai estar conosco em breve”.
Inclusive o dirigente confirmou que Ariedo Braida, diretor-geral do time italiano, foi para a Inglaterra encontrar-se com Dida, que está defendendo a Seleção Brasileira, e acertar os detalhes da negociação.
O diretor de futebol do Corinthians, Carlos Nujud, confirmou que recebeu a carta protocolada do Milan, informando que o clube europeu fará um depósito na conta do Corinthians até dia 30 de maio.
O alvinegro tenta agora renegociar a recompra de Dida. Nujud explicou que está esperando o atleta voltar da excusrsão que faz com a Seleção para poder conversar melhor com o jogador. “Estou esperando que o Dida retorne da Inglaterra para negociar com ele”.
Yamada — Enquanto Dida está saindo, o goleiro Yamada ficou feliz com a sua atuação, na derrota por 1 a 0 para o Botafogo, na última quinta-feira, no Maracanã, pela Copa do Brasil. Ele foi considerado o herói da partida, mas garante que ficou receoso, jogando no maior do mundo. “Senti um friozinho na barriga antes do jogo, mas depois passou. O problema é que ficamos o tempo inteiro no hotel, pensando logo em começar a partida”.
Para o goleiro corintiano, a atenção foi a tônica da partida. “Sabíamos que eles viriam para cima”, explicou.
Yamada garante que a maratona de jogos do Timão tem duas impliações. Se por um lado desgasta os titulares, por outro cria chance para novos jogadores. “Abre as portas para quem está começando”.

Equipe comemora os raros dias para treinar
(fonte: Gazeta Esportiva)

Alegria de pobre dura pouco. Hoje é o último dia que o Corinthians tem para fazer o mesmo que um time de futebol normal: treinar. Devido a tantos jogos consecutivos, o Timão teve três dias para se aprimorar.
Os jogadores nunca sentiram tanta falta, como contou o atacante Luizão. “Esses dias foram muito bem-vindos, já que tivemos uma seqüência de decisões”, falou. “Com esse descanso, não vamos sentir tanto para o próximo jogo.”
O lateral-esquerdo Kléber também achou providencial esta “parada”. “Para nós, que vínhamos num ritmo de muitos jogos seguidos é bom. Eu posso fazer treinos específicos. Isso é ótimo para fortalecer os músculos.”
Ricardinho, considerado o cérebro do time, gostou desse tempo que está tendo. Ele mesmo havia apontado a falta de treinamentos como uma das principais causas das oscilações de rendimento da equipe. “Três dias não é grande coisa. Mas ajuda. Melhor do que ficar jogando dia sim, dia não”, resmungou. “Com tantos compromissos consecutivos, não havia como se preparar bem para as partidas”, disse o camisa 11.
Os treinamentos têm agradado a Oswaldo de Oliveira. “Esses dias foram bons, com um pouco mais de descanso para os jogadores. Em conseqüência, o jogo flui melhor, já que a equipe é muito técnica e precisa de treinos específicos”, disse o comandante do Timão.

26/05

Reservas do Corinthians perdem por 1 a 0
fonte: Gazeta Esportiva

Jogando com uma equipe formada totalmente por reservas, o Corinthians perdeu para o Botafogo por 1 a 0, no Maracanã, e precisará de uma vitória por dois gols de diferença na partida de volta, em São Paulo, para avançar às quartas-de-final da competição. Considerando o cansaço dos comandados de Oswaldo de Oliveira e o regulamento da Copado Brasil, o resultado acabou sendo muito bom para o Timão, que deve atuar na segunda partida com, ao menos, alguns titulares.
No começo da partida, o Botafogo teve várias chances de abrir o placar, mas parou na boa atuação do nipônico goleiro Yamada, terceiro arqueiro do Corinthians. Na única vez que Yamada falhou, Batata tirou quase em cima da linha, aos 9 minutos.
O Corinthians, sem criatividade no meio-campo, demorou a chegar no gol de Wágner, mas conseguia suportar a pressão do Fogão. Tudo corria as mil maravilhas, até aos 14 minutos, já da segunda etapa, quando o Botafogo finalmente inaugurou o marcador. O gol foi de Alexadre Gaúcho, tocando na saída de Yamada, após o cruzamento de Misso, da esquerda. Marcos Senna falhou no lance, ao "furar", de cabeça, no primeiro pau.
Depois do gol, a "estrela Solitária" não conseguiu criar muita coisa, muito mais opor falta de competência ofensiva, do que por qualquer outra razão. Pior do que isso, aos 44, o Corinthians teve a chance de empatar, mas Éwerthon chutou em cima de Wágner, que fez grande defesa.
Devido a má atuação, apesar da vitória, o Botafogo saiu de campos sob calorosas vaias da torcida cruzmaltina, consciente de que a vitória por um gol de diferença pode ser pouco. Final de partida - Botafogo 1 x 0 Corinthians.

23/05

Fiel, jogai por mim!
fonte: Gazeta Esportiva

O Corinthians tenta hoje se classificar, pela primeira vez em sua história, para a semifinal da Copa Libertadores. O time recebe o Atlético-MG, às 21h40, no Morumbi, e precisa vencer para evitar os pênaltis (no primeiro jogo, houve empate de 1 a 1).
Caso a definição vá para as penalidades, alguém vai fazer falta no gol corintiano: o titular absoluto Dida, que está com a Seleção Brasileira na Europa. Por isso, todas as atenções se voltam para o reserva Maurício, que a exemplo do ano passado — entrou na fogueira, nas quartas-de-final da mesma Libertadores, contra o Palmeiras —, sai do limbo para defender o clube num dos momentos mais importantes de sua história.
"Espero que a torcida vá em peso ao estádio para nos ajudar. Eu preciso desta força", admitiu Maurício, que garante estar tranqüilo para o desafio. "Um goleiro precisa ter paciência. Como confio no trabalho que estou mostrando nos treinamentos, estou tranqüilo", disse.
Com relação ao apoio, Maurício já pode ficar tranqüilo. Ontem, uma faixa foi estendida no Parque São Jorge. "Maurício, a Fiel está com você", dizia a mensagem colocada por uma torcida organizada do clube. A possibilidade de pênaltis também não assusta Maurício. Apesar de reconhecer que não é possível compará-lo a Dida, ele encara com muito mais simplicidade a eventual decisão por penalidades. "Não existe treinamento para pênaltis, mas espero pegar pelo menos um."
O técnico Oswaldo de Oliveira não acredita que a decisão da vaga irá para os pênaltis. Os jogadores nem sequer treinaram as cobranças, como costumeiramente fazem. A preocupação maior do treinador é com outro tipo de participação da torcida.
"Nossa torcida sempre ajuda, é verdade, mas é sempre bom lembrar que um jogo desse nível exige mais paciência do torcedor. Não queremos ficar apavorados e nervosos antes de fazermos os gols necessários", avisou o treinador.
O volante Edu aposta apenas na influência positiva do torcedor. "Em Minas Gerais, o pessoal do Atlético, que é bastante fanático, ficou o tempo inteiro gritando 'Galo'. Espero que aqui os gritos de 'Timão' sejam o nosso troco", disse ele. A violência na primeira partida, em Minas, não preocupa o jogador.

Ficha técnica do jogo
CORINTHIANS
Maurício; Daniel, Fábio Luciano, Adílson e Kléber; Edu, Vampeta, Marcelinho e Ricardinho; Edílson e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

ATLÉTICO-MG
Velloso; Bruno, Cláudio Caçapa, Gilberto Silva e Ronildo; Gallo, Cleison, Lincon e Ramón; Guilherme e Marques. Técnico: Márcio Araújo.

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi).
Data: 23/05/2000.
Horário: 21h40.
Árbitro: Carlos Eugenio Simón (Brasil).
Assistentes: Arnaldo Pinto e José Carlos Oliveira, ambos brasileiros.

Adílson recepciona Cleisson sem rancor
fonte: Gazeta Esportiva

O jogo de hoje à noite deve marcar um duelo pessoal entre o zagueiro corintiano Adílson e o meia Cleisson no gramado do Morumbi. A rixa começou na primeira partida, no Mineirão, quando o jogador atleticano cuspiu na cara de Adílson. Ontem, Cleisson pediu desculpas ao corintiano, tratando de acalmar a rivalidade em torno do assunto. “Ele está desculpado. O Cleisson não é menino. Eu apenas fui falar com ele, depois da entrada no Ricardinho”, lembrou o zagueiro.
Mas Adílson não pretende amolecer diante do “gesto bonito do atleticano”. “Não vai impedir uma jogada mais forte, como acontece em jogos mais ríspidos, como os de Copa Libertadores”, disse. Adílson lembrou do começo da carreira do atacante, quando ambos atuavam pelo Cruzeiro.
“Eu dava carona para ele, mas acho que agora faltou educação e respeito. Espero que não volte acontecer”, afirmou Adílson. Para o jogador corintiano, a partida de hoje à noite tem a mesma importância que um jogo entre seleções. “É a nossa Copa do Mundo”, afirmou.
Sorte -Antes da partida contra o Palmeiras, o goleiro Maurício afirmou que pretendia usar o clássico também para apurar sua forma para a partida contra o Atlético-MG. Entretanto, mais do que isso, o goleiro reserva do Timão percebeu que a sorte está do seu lado, já que os jogadores do time do Parque Antártica carimbaram três vezes a sua trave. “O Maurício é meu amigo e um grande goleiro. A torcida pode confiar”, afirmou Adílson.

Galo chega a São Paulo baleado
fonte: Gazeta Esportiva

De volta ao passado. Esse parece ser o enredo que Márcio Araújo está enfrentando no Atlético-MG. O título é justificável: um dos principais jogadores do time mineiro, o atacante Marques, sentiu uma dor no quadril e se transformou na principal dúvida dos atleticanos para a partida de hoje à noite. O jogador não disputou as finais do Brasileiro do ano passado por causa de uma lesão.
Marques, que treinava com os companheiros, deixou o campo imediatamente e iniciou tratamento para tentar se recuperar a tempo de enfrentar seu ex-clube.
Márcio Araújo tem outros problemas para escalar o time que entrará em campo. Outro atacante, Guilherme, também sente dores na coxa esquerda, causadas pelo esforço. Cleisson é outro que está em tratamento intensivo. Os cuidados são com o joelho direito do jogador, que o incomoda há cerca de 20 dias.

Reservas estão com a bola toda
fonte: Gazeta Esportiva

A vitória, de goleada, sobre o Palmeiras concedeu aos jogadores considerados reservas do Corinthians muito mais do que alegria e a sensação do dever cumprido. Atletas como Luiz Mário, Edson, Marcos Senna, e até mesmo os experientes Batata, João Carlos e Índio mostraram à torcida que têm capacidade para vencer. Como se falassem pelos pés, ou pelos gols que marcaram, estes jogadores mandaram um recado para o treinador Oswaldo de Oliveira: pode confiar no Timão B. O técnico corintiano, aliás, mostrou-se contente com a vitória sobre o rival. “O resultado reflete no ânimo, no comportamento. Neste aspecto foi muito bom”, afirmou.
Assediado por um batalhão de jornalistas, o técnico corintiano lembrou outro aspecto positivo da goleada sobre o rival alviverde. “O ânimo também passa para os que ficaram de fora”, disse Oliveira, lembrando das estrelas do time, que treinaram no domingo de manhã e não participaram do clássico. “Estamos todos no mesmo barco”, completou o capitão Oswaldo.
De acordo com o técnico corintiano, foi importante o retorno aos gramados do lateral-esquerdo Edson, que atua em uma posição deficitária no Parque São Jorge, na qual Kléber é o titular absoluto. “É importante para ele (Edson) ir se firmando. Ele ficou claudicante pelas contusões que teve e essa vitória é essencial porque joga o espírito dele para cima. Isso sem contar o gol que ele marcou no final do jogo”, afirmou Oswaldo.

21/05

Corinthians abre mão da vantagem
fonte: Gazeta Esportiva

Preocupado com a partida de terça-feira, contra o Atlético-MG, que definirá a sorte do Corinthians na Copa Libertadores da América, o time alvinegro abriu mão de conquistar a vantagem nas semifinais do Paulistão. Caso vença o Palmeiras hoje, às 16h, no Morumbi, a equipe terá o direito de jogar por dois empates para ir à final do estadual. Tanto é verdade que, durante a semana, o atacante Edílson deu várias entrevistas à imprensa ressaltando que o mais importante era o Timão estar classificado para a próxima fase, o que acabou acontecendo após a vitória por 5 a 2 sobre a Ponte Preta, na última terça-feira. “Independentemente de ser primeiro ou segundo lugar no Grupo 7, o mais importante é que a equipe está na semifinal”, disse o camisa 10.
Marcelinho também concorda com Edílson. “Acho que vai haver consenso entre a comissão técnica. Os titulares só deverão jogar na terça-feira”, destacou o Pé de Anjo.
O treinador Oswaldo de Oliveira vai divulgar a escalação somente horas antes da partida, como tem feito nos jogos anteriores, evitando também que colecione mais multas, já que o Corinthians teve de pagar à FPF, por duas vezes, totalizando R$ 150 mil, quando divulgou uma escalação mista nos jogos contra a Ponte Preta e Matonense, ainda pela segunda fase da competição regional.
Aos jogadores que devem ser escalados, resta buscar a motivação de uma nova chance na equipe. “Todos querem jogar um clássico. A rivalidade é muito grande, ninguém quer perder”, afirmou o zagueiro Batata, que quando joga, vem recebendo elogios do técnico Oswaldo de Oliveira. “Joguei o primeiro clássico e estou me sentindo bem”, disse o jogador corintiano. Aliás, o Campeonato Paulista está sendo uma ótima oportunidade para o jogador recuperar a forma, depois de grave contusão.
Para João Carlos, outro zagueiro que deve ganhar uma posição no time titular, a motivação aparece porque é, justamente, a oportunidade de quem não está jogando atuar. “É a oportunidade de mostrar serviço. Estar bem na hora que o treinador precisar”, declarou João Carlos. Outro jogador considerado reserva está mais consciente. O atacante Gil sabe que não se pode conquistar um lugar entre os titulares em apenas uma partida.
“Mas acredito que pode ser um grande impulso na minha carreira”, disse. Para o jogador, caso Corinthians e Palmeiras escalem os reservas, o time do Parque São Jorge leva vantagem.
“Nós estamos mais entrosados do que o time reserva deles”, declarou o atacante, que só tem um gol neste Campeonato Paulista, quando marcou pela primeira vez como profissional na vitória por 3 a 0 sobre o Araçatuba, no dia 23 de abril, no estádio do Canindé.

Domingo de treino
fonte: Gazeta Esportiva

Hoje é dia do clássico mais importante do futebol paulista, entre Corinthians e Palmeiras. Em dia de jogo tem treino? Até o torcedor mais distraído sabe que a resposta seria negativa. Entretanto, o calendário maluco do futebol brasileiro fez com que isso mudasse. Hoje, o time do Parque São Jorge estará divido ao meio. Pela manhã, alguns jogadores estarão treinando, enquanto à tarde, outros estarão duelando contra o rival.
Os volantes Vampeta e Gilmar, o zagueiro Fábio Luciano e o atacante Edílson, que estão suspensos para o clássico, constam na relação de treino.
O outro que deve estar nesta lista é o zagueiro Adílson. “Faz parte da nossa profissão. Quando tiver 36 anos vou lembrar e dar risada disso”, afirmou o esforçado zagueiro. Para Adílson, hoje ele até se considera feliz, já que no domingo passado passou por essa mesma situação, mas só que para recuperar-se de uma lesão no joelho teve de treinar sozinho no Parque São Jorge.

Marcelinho solidário
fonte: Gazeta Esportiva

Sabendo que o técnico Oswaldo de Oliveira deve ter problemas para escalar a equipe para o jogo desta tarde contra o Palmeiras, apesar de estar desgastado com a maratona de jogos, o meia Marcelinho, do Corinthians, se solidarizou com o drama do treinador e resolveu se colocar à disposição. “Se o Oswaldo vier falar comigo, pelo menos 45 minutos eu estaria disposto a a jogar.”
O Pé de Anjo tem outro bom motivo para estar em campo. É porque ele é o vice-artilheiro do Campeonato Paulista, com 13 gols e corre atrás de ser o principal goleador.
Mas Marcelinho deixa claro que essas partidas servem principalmente para os outros companheiros. “Essa partida serve para alguns jogadores mostrarem o valor.”
Se tiver folga, Marcelinho já tem um programa: assistir ao jogo. “Vou ficar vendo a partida com a família e torcendo pelos meus companheiros”, contou o camisa 7.

Maurício animado para o clássico de hoje
fonte: Gazeta Esportiva

Não importa se o clássico contra o Palmeiras vale pouco. Para o goleiro Maurício, que irá substituir o titular Dida, a torcida vai cobrar do mesmo jeito. “Queremos ganhar para conquistar a vantagem”, afirmou.
“Para mim será muito importante jogar contra o Palmeiras. Não considero um treino, mas uma oportunidade de conquistar confiança para o jogo de terça-feira pela Libertadores da América.
O goleiro não está preocupado de que forma o rival entrará em campo. Perguntado sobre a possibilidade Palmeiras escalar jogadores considerados reservas, Maurício respondeu: “Estamos pensando na nossa equipe, não no Palmeiras. Maurício tem um motivo a mais para tanta animação, está ganhando nova oportunidade de vestir a camisa 1 do Corinthians em partidas importantes. “Jogar contra o Palmeiras é diferente pela rivalidade. Tem sempre uma motivação a mais”, declarou.
Motivação extra -Mas se Maurício é um dos poucos que se mostra animado com a possibilidade de disputar o clássico, a Federação Paulista de Futebol também está fazendo de tudo para atrair os torcedores ao Morumbi. Os ingressos vão custar R$ 2 para qualquer setor das arquibancadas.

20/05

Futuro nas mãos de Maurício
fonte: Gazeta Esportiva

A Fiel torcida pode ficar tranqüila para os próximos dois jogos do Corinthians — amanhã no clássico contra o Palmeiras, e terça-feira enfrentando o Atético-MG, decidindo a vaga para as semifinais da Libertadores. Como o goleiro Dida vai viajar para a Europa com a Seleção Brasileira, amanhã, onde vai enfrentar País de Gales e Inglaterra, o Timão vai contar com Maurício. Não será a primeira vez que ele entra no time. O camisa 12 é bastante experiente. No ano passado, barrou o ex-titular Nei na segunda partida das semifinais da Libertadores, enfrentando o Palmeiras.
Maurício está confiante em seu potencial. “Me sinto bastante tranqüilo”, disse. “Para mim é muito importante ajudar o Corinthians a chegar à semifinal no próximo jogo contra o Atlético-MG”. Apesar da confiança, ele espera que a partida não seja decidida nas penalidades. “No pênalti nem sempre o melhor vence. Vou procurar defender, mas vai ser difícil ser como o Dida”, declarou.
Ele garante que tem o respaldo da comissão técnica. “O PC (Paulo César Gusmão, preparador de goleiros) me deu confiança, assim como o técnico Oswaldo de Oliveira.”
PC ressalta a importância de Maurício. “É claro que o Dida representa muito para o Corinthians, mas o Maurício vai dar conta do recado.” Ontem à tarde, no desembarque , os corintianos voltaram desfalcados. Edílson e Vampeta viajaram para Salvador. Dida ficou em Belo Horizonte. Mas todos se apresentam hoje para o treino.
Reservas — O técnico Oswaldo de Oliveira vai continuar com o mesmo discurso. Vai divulgar os titulares somente antes do jogo. “Preciso analisar os jogadores até o último momento para saber quem está melhor.”
Para o clássico de amanhã, o técnico não vai poder contar com Edílson, Vampeta, Gilmar e Fábio Luciano, que estão suspensos pelo segundo cartão amarelo. Adílson deverá continuar tratando de uma contusão no joelho, além de Luizão e Ricardinho, que saíram de campo contra o Atlético-MG com dores.

Elenco ignora jogadas viris
fonte: Gazeta Esportiva

Apesar de o jogo entre Atlético-MG e Corinthians ter tido alguns lances ríspidos e discussões, os jogadores corintianos preferiram minimizar nos comentários.
“Aconteceram jogadas de virilidade, mas nada que comprometesse a partida”, interpretou Ricardinho. Ele ressalta que o árbitro poderia ter coibido alguns lances. “Se ele tomasse conta do jogo, teria sido menos violento”.
O experiente zagueiro Adílson, que teve alguns entreveros com Clêisson na partida, não achou nada tão forte. “Nesses momentos, você tem de ter tranqüilidade”, afirmou o zagueiro. Adílson disse que pensou na equipe para não revidar a cusparada de Clêisson. “Ele sempre chega com segundas intenções, dá carrinhos perigosos”, disse. A mesma opinião teve o meia Edu. “Foi um jogo típico de Libertadores, mas não foi violento”, comentou.
O atacante Luizão, que mais uma vez deixou a sua marca na competição — agora tem 13 gols e é o artilheiro isolado —, considerou que as jogadas mais ríspidas acontecem nesse tipo de torneio. Por outro lado, garante que a jogada do gol não foi por acaso. “A gente treina isso direto”, contou.

Ricardinho elogia coletivismo
fonte: Gazeta Esportiva

O meia Ricardinho elogiou o comportamento da equipe no empate por 1 a 1 contra o Atlético-MG, anteontem à noite, em Belo Horizonte. “O mais importante é que todo o elenco abdicou do individual pelo coletivo. Todo mundo acabou ajudando na marcação, por isso colhemos um bom resultado”, explicou.
Ricardinho receita a mesma seriedade para o jogo de volta, que vai acontecer terça-feira, no estádio do Morumbi. “A partida é importante e decisiva. Temos que entrar em campo com a mesma seriedade e determinação”, falou.
Na opinião do camisa 11 corintiano, o empate pode ser considerado um bom resultado fora de casa. “Poderia ter sido melhor, só que acabamos perdendo muitas chances. Mas estava tudo dentro daquilo que foi planejado”, discursou.
Ricardinho também ressaltou que se sentiu bem na partida. “Foi tranqüilo. Deu para suportar bem o jogo”, disse ele, procurando justificar porque o adversário teve mais fôlego. “O Atlético-MG não está tendo a maratona que nós estamos enfrentando”, finalizou.

18/05

Corinthinas a história não se repete
(fonte: Gazeta Esportiva)

A teoria mostra que o Corinthians parece ter aprendido a lição do último Campeonato Brasileiro, quando perdeu o primeiro jogo das finais para o Atlético-MG e quase viu o título nacional escapar por entre suas mãos. Hoje, às 21h40, os paulistas voltam ao mesmo Mineirão lotado para novo confronto contra o Galo, agora pelas quartas-de-final da Copa Libertadores da América.
As explicações são muitas. Os jogadores, no entanto, não esquecem do primeiro gol, marcado por Guilherme aos 15 segundos da partida. “Não podemos errar como daquela vez. Tomar gol logo no começo quebra qualquer esquema tático e dificulta demais”, afirmou Edílson. O também atacante Luizão garante que o gol-relâmpago não passou de casualidade. “Só vai acontecer outra vez daqui há 100 anos”. O meia Marcelinho também concorda com Luizão. “Foi acidente de percurso. Não vai mais acontecer”, disse o Pé de Anjo. “O Corinthians sabe jogar muito bem fora de casa e o contra-ataque é nossa principal arma. É o que nós temos de melhor”, explicou.
Para Marcelinho, o confronto contra o Atlético-MG será fundamental na campanha da Libertadores. “Com um bom resultado amanhã (hoje), podemos jogar mais tranqüilos na volta, em São Paulo”, afirmou. O meia acredita que o sucesso no Mineirão estará condicionado ao bom empenho da equipe. “Temos de ter uma marcação forte em todos os setores do campo.”A preocupação do Corinthians parece ser exatamente o setor defensivo. “Devemos marcar para depois atacar. Se fizermos o contrário, poderemos ser surpreendidos”, receitou o lateral-direito Daniel.
PreocupaçãoAlém do cuidado em não repetir os erros do passado, os jogadores corintianos estão de olho, principalmente, em um ex-prata-da-casa do Timão: Marques, que não jogou as finais do Brasileiro porque estava contundido, mas que é o principal articulador das jogadas de ataque dos mineiros.
“Ele é um jogador muito veloz, que abre muitos espaços para os atleticanos”, comentou o zagueiro Adílson, que se recuperou de uma contusão no joelho direito.

Ficha técnica do jogo
ATLÉTICO/MG
Velloso; Bruno, Gilberto Silva, Cláudio Caçapa e Vitor (Ronildo); Gallo, Cleisson, Caíco (Lincoln) e Ramon; Guilherme e Marques. Técnico: Márcio Araújo.

CORINTHIANS
Dida; Daniel, Fábio Luciano, Adílson e Kleber; Vampeta, Edu, Ricardinho e Marcelinho; Edílson e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).
Data: 18/05/2000. Horário: 21h40.
Árbitro: Luciano Augusto T. Almeida (DF).
Assistentes: Aristeu Leonardo Tavares (RJ) e Milton Otaviano dos Santos (RN).

Matador em busca do recorde
(fonte: Gazeta Esportiva)

Luizão, mais uma vez, pode ser a luz no fim do túnel para as pretensões do Corinthians na Libertadores. O artilheiro, que já marcou 12 gols (foram computados 11 porque o árbitro assinalou um para Kléber no empate por 2 a 2 com o Olímpia, no Paraguai), vem salvando o time, como nas duas partidas contra o Rosario Central, quando fez quatro gols.
Mas parece que a responsabilidade o acompanha há tempos. No Vasco, quando foi campeão, ele também foi o principal artilheiro. “Eu me identifico muito com essa competição. Gosto de jogar a Libertadores e também costumo dar muita sorte. Espero que continue assim e que amanhã (hoje) ajude o Corinthians a conquistar mais uma vitória.”
O camisa 9 do Timão ressalta que um resultado positivo será muito importante para o jogo de volta, que vai acontecer terça-feira, em São Paulo. “Não podemos levar gols.”
Luizão tem um motivo a mais para fazer gols hoje. Se for às redes mais uma vez, empata com o ex-atacante Palhinha, que em 1976, jogando pelo Cruzeiro, marcou 13 gols e atualmente é o principal artilheiro brasileiro na Libertadores. “Sempre é muito bom bater recordes e fazer gols”, disse o matador corintiano.
Em boas mãos — Palhinha, que hoje é o diretor do clube Boa Esperança, em Belo Horizonte, garante que não fica chateado em perder o trono para o atacante paulista. “Se ele superar a minha marca vou ficar muito feliz. Vai ficar em boas mãos. Assim como eu tive o meu momento, ele está tendo agora o momento dele. Sempre torço para o sucesso dos atacantes brasileiros nessa competição internacional.” O ex-atacante não cansa de elogiar Luizão. “Ele é um jogador muito esforçado. Sempre acredita nas jogadas, e sabe se posicionar muito bem no ataque, por isso faz os gols”.
Confirmado — O departamento médico corintiano confirmou Luizão para esta noite. Ele estava com uma dor no adutor da coxa direita. “Hoje (ontem) ele fez vários testes e nada sentiu. Ele está confirmado”, afirmou o médico Paulo de Farias.

Atlético/MG - Araújo acredita em jogo ofensivo
(fonte: Gazeta Esportiva)

O treinador do Atlético-MG, Márcio Araújo, espera por um jogo ofensivo na noite de hoje contra o Corinthians, pelas quartas-de-final da Copa Libertadores. “São duas equipes grandes do futebol brasileiro e com características ofensivas”, afirmou o treinador.
Para o primeiro confronto contra a equipe do Parque São Jorge, Márcio Araújo tem dúvidas para escalar o time. “Ainda não sei se escalo o Caíco, que ainda está sentindo uma contusão no tornozelo direito”, afirmou. Caso não possa participar, o meia será substituído por Ronildo.
Entretanto, o treinador atleticano enfrenta um problema ainda maior. Não sabe se escala Ronildo ou Vitor na lateral-esquerda. A dúvida é com relação ao “aspecto emocional”, como definiu Araújo. “Infelizmente, a torcida pega no pé dos dois, que têm se esforçado para dar o melhor.”
Promoção -Depois da batalha em Minas Gerais, o Corinthians terá pela frente o Palmeiras, no clássico que fecha a terceira fase do Campeonato Paulista. Como as duas equipes já estão classificadas e decidem apenas quem ficará em primeiro lugar no grupo, a Federação Paulista de Futebol está realizando uma promoção para atrair torcedores. O ingresso custará R$ 2 e será válido para qualquer setor do estádio do Murumbi, local da realização da partida.

17/05

Timão garante vaga
(fonte: Gazeta Esportiva)

Tudo deu certo para o Corinthians na noite de ontem, no Morumbi. A equipe do Parque São Jorge goleou por 5 a 2 a Ponte Preta, conquistou a classificação para a semifinal do Campeonato Paulista e o meia Marcelinho Carioca, com os dois gols que marcou, assumiu a liderança isolada da artilharia, com 13 gols.
Por outro lado, a Ponte Preta era só decepção, já que com a derrota foi eliminada. A equipe do Interior esperava uma vitória, mas não mostrou em campo ter condições para derrotar o campeão do mundo.
O Corinthians foi superior durante toda a partida. Já vencia por 2 a 0 aos 10 minutos, gols de Edílson e Dinei.
À Ponte Preta restava correr atrás do resultado. Conseguiu diminuir a vantagem com um gol de Vânder, mas Marcelinho, de pênalti, novamente colocou o Corinthians em posição cômoda na partida.
No segundo tempo, o time de Campinas deu mostras de que iria complicar a partida, com um gol de Adrianinho logo no começo. Entretanto, o Corinthians voltou a acordar na partida. Marcelinho e Edílson trataram de sepultar a Ponte no Campeonato Paulista.
O time do Parque São Jorge ainda poderá conquistar o primeiro lugar no grupo, caso obtenha uma vitória contra o Palmeiras, no próximo domingo. O Corinthians não poderá contar no clássico com Vampeta, Fábio Luciano, Gilmar e Edílson, que receberam o segundo cartão amarelo.

Ficha técnica - Corinthians 5 x 2 Ponte Preta
(fonte: Gazeta Esportiva)

Corinthians 5
Dida; Daniel, Fábio Luciano, Batata e Índio; Gilmar, Vampeta, Marcos Senna e Marcelinho; Edílson e Dinei.Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Ponte Preta 2
Adriano; Zé Carlos, Rodrigo, Ronaldão e André Silva; Alex, Roberto, Dionízio e Vânder; Narcízio e Adrianinho.Técnico: Estavam Soares.

Local: Morumbi, em São Paulo
Data: 16/05/2000. Horário: 20h30
Árbitros: Paulo César de Oliveira e Ílson Honorato dos Santos.
Assistentes: Carlos D. Pianosqui e Nílson de S. Monção.
Gols: Edílson aos 6, Dinei aos 9, Vânder aos 43 e Marcelinho aos 47 do 1º. Adrianinho aos 6, Marcelinho aos 19 e Edílson aos 43 do final.
Cartões amarelos: Fábio Luciano, Gilmar, Edílson, Vampeta e Marcos Senna (Corinthians); Samuel, André Silva e Roberto (Ponte Preta)
Cartões vermelhos: Dionízio e Roberto (Ponte Preta)

Vida de concentração
(fonte: Gazeta Esportiva)

A vida de jogador de futebol é boa? Conhecer lugares, viajar, ficar nos melhores hotéis? Mas tudo que é demais acaba cansando. É o que está acontecendo com os jogadores do Corinthians. Devido à maratona de jogos, disputando a Copa Libertadores e o Campeonato Paulista simultaneamente, todos vivem mais fora do que dentro de casa.
“Os jogos em si não são tão desgastantes assim. O que é mais chato é ficar em concentrações”, reclama o volante Vampeta. “É ruim ficar num ambiente fechado. Tem horário para tudo: comer, dormir”, diz o camisa 5 corintiano.
Vampeta ressalta que só tem uma única diversão para passar o tempo: ver televisão. “Fico dormindo, converso com o meu companheiro Edílson e também costumo ver bastante TV”, conta. Ele, no entanto reclama do seu conterrâneo baiano. “Ele ronca demais”, denuncia.
Edílson ficou surpreso com a ‘acusação’. “Acho que ele está imaginando demais. É mais fácil ele roncar do que eu. A minha mulher nunca reclamou deste problema”, jura o Capeta. “É o tal de liga, desliga a TV, anda para lá, para cá e acaba caindo na monotonia”, entrega o atacante.
No entanto, Edílson concorda com o colega: “O que desgasta o jogador é a concentração. Quanto aos compromissos profissionais, a gente tem que assimilar a responsabilidade e encarar. Não tem saída.” Vampeta, porém, ressalta um lado positivo. “Com muitas partidas e concentrações seguidas, pelo menos não tem treino”.
Devido às várias concentrações, alguns jogadores curtem o tempo livre com a família. É o caso, por exemplo, do xerife Adílson.

Comandante pode deixar o Parque
(fonte: Gazeta Esportiva)

Se a diretoria do Corinthians não abrir os cofres, o técnico Oswaldo de Oliveira corre o risco de sair. É que o seu contrato com o clube vai vencer no próximo dia 30 de junho e ele deverá pedir um bom aumento salarial.
O treinador, no entanto, vai deixar seu procurado resolver o assunto. Em entrevistas recentes, Oswaldo deixou claro que não deverá haver problemas na renovação contratual, porque ele tem interesse em dar continuidade ao seu trabalho. Mas também deixa claro que vai pedir aumento, já que ele próprio disse que uma coisa é contratar uma promessa, e a outra é contratar alguém que está conquistando títulos seguidos.
De auxiliar-técnico de Wanderley Luxemburgo, Oswaldo de Oliveira assumiu o comando do Timão em 99 e de lá para cá conquistou vários títulos pelo alvinegro, como o Paulista e o Brasileiro do ano passado e, principalmente, o Mundial de Clubes, em janeiro, a maior conquista da história do clube.

Timão deve jogar completo amanhã
(fonte: Gazeta Esportiva)

O Corinthians deve ter todos os titulares para enfrentar o Atlético-MG, amanhã, às 21h40, no estádio do Mineirão, na primeira partida das quartas-de-final da Copa Libertadores da América.
Edu, Adílson e Luizão, que não enfrentaram ontem à noite a Ponte Preta, voltarão à equipe. Edu estava suspenso, enquanto que o artilheiro se recuperava de uma dor no adutor da coxa direita. Já o xerife Adílson estava com uma contusão no joelho.
Os mineiros encaram a partida como uma grande revanche, porque o Corinthians levou a melhor nas finais do Brasileiro do ano passado, conquistando o tricampeonato da competição.
Mas, para muitos corintianos, será novidade enfrentar o Atlético-MG, como são é o caso do lateral Daniel, dos zagueiros Fábio Luciano e Adílson, e do volante Edu, que era reserva. Com exceção de Edu, os outros acabaram chegando ao Parque São Jorge no final do ano passado, para a disputa do 1º Mundial de Clubes.

16/05

Oswaldo não sabe o que fazer
(fonte: Gazeta Esportiva)

O técnico Oswaldo de Oliveira ainda não sabe como escalar o Corinthians que enfrenta a Ponte Preta, às 20h30 de hoje, no Morumbi, na briga pela vaga no Grupo 7 do Paulistão. O mistério será desfeito apenas no vestiário.
Se o treinador escalar os titulares, é sinal de que o comandante decidiu assumir o peso da maratona e encarar o clima de que guerra é guerra. Afinal, não restaria outra saída. Depois de empatar duas vezes consecutivas com o Rio Branco, Oliveira caiu na realidade e descobriu que, nas atuais circunstâncias, só a vitória mantém as chances de o time ainda assegurar a vaga antecipada para as semifinais do Campeonato Paulista.
Se Oswaldo optar pelo mistão ficaria na dependência de um duelo terrível contra o arquiinimigo Palmeiras que, mesmo classificado à próxima fase, provavelmente pegaria duro em cima do rival e não deixaria barato no clássico de domingo. Ao esbarrar no Rio Branco, o campeão mundial passou a correr riscos de um indisfarçável vexame no Campeonato Paulista.
Caso escale os titulares — menos Edu, suspenso, e Adílson, contundido — Oliveira sepultaria a tese do revezamento. A pretexto de poupar o Corinthians para a Copa Libertadores — na quinta-feira, enfrentará o Atlético-MG em pleno Mineirão no confronto de ida das quartas-de-final — Oliveira provará de que leva muito a sério as duas competições.
Mas, se optar pela entrada dos reservas, Oliveira nem precisará mais explicar ao presidente da Federação Paulista de Futebol, Eduardo José Farah, que a toalha alvinegra estaria irremediavelmente atirada no ringue em que se transformou a luta no Grupo 7. E, num desdobramento imediato, também seria lançada no chão do próprio torneio.
Os dirigentes, é claro, teriam fortalecido a suposta cumplicidade. É verdade que o Corinthians nunca conseguiu ganhar uma Libertadores. Mas, se o clube virasse as costas para o campeonato de Farah, as conseqüências e o tiroteio seriam bem previsíveis.

Ficha técnica do jogo
CORINTHIANS
Dida; Daniel, Fábio Luciano, Batata e Márcio Costa (Kléber); Gilmar, Vampeta, Marcos Senna e Marcelinho; Dinei e Edílson. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

PONTE PRETA
Adriano; Roberto Silveira, Alex, Ronaldão e André Silva; Roberto, Dionísio, Vânder e Adrianinho; Macedo e Narcízio. Técnico: Estevam Soares.

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi).
Data: 16/05/2000.
Horário: 20h30.
Árbitros e assistentes: Não divulgados pela Federação Paulista de Futebol.

Ricardinho explica altos e baixos do time
(fonte: Gazeta Esportiva)

O meia Ricardinho tem uma explicação para os altos e baixos do Corinthians neste Paulistão. “Não tem como você manter a regularidade jogando quatro vezes por semana. Você pode mudar alguns jogadores, como está sendo feito aqui no Corinthians, mas sempre há um desgaste físico, mental. Estamos jogando terça-feira, folgamos na quarta e no dia seguinte já tem outra partida”, reclamou.
Ricardinho também ressalta que o Corinthians não tem treinado adequadamente há algum tempo devido ao calendário apertado. “Com essa seqüência de jogos, não estamos tendo tempo. Há mais ou menos 12 ou 15 dias que não treinamos. São apenas viagens, concentrações e jogos”.
Mas o camisa 11 corintiano garante, porém, que não há motivos para tanto desespero. “Neste momento o importante é que independente do campeonato estamos pontuando”.

15/05

Empate com sabor de derrota
(fonte: Gazeta Esportiva)

O matador cumpriu a rotina. Ao marcar o segundo gol do Corinthians nos 2 a 2 que tiveram gosto de derrota, ontem, em Americana, contra o Rio Branco, Luizão mostrou de novo a conhecida cara de quem não vacila nem perdoa nas jogadas de área. Confere todas. Apesar dos desacertos do time, especialmente na segunda fase, o centroavante voltou a desempenhar uma tarefa importante no esquema do técnico Oswaldo de Oliveira.
Além de incomodar a defesa do Rio Branco, Luizão procurou se deslocar inteligentemente pelos flancos. Às vezes, recuava na hora certa para bloquear as saídas do adversário e ajudar os companheiros no combate. “Atuamos bem no primeiro tempo, mas depois cometemos alguns descuidos que não podem se repetir mais”, reclamou Luizão, sem esconder o cansaço de tanto batalhar em campo.
Ricardinho, irritado, sintelizou bem o principal defeito do Corinthians. “Simplesmente paramos. Todos viram que tínhamos o jogo nas mãos, mas deixamos escapar a vitória. Passamos a falhar demais e demos as duas chances para que o Rio Branco reagisse”, desabafou. Ele também reclamou da arbitragem no instante em que a barreira se adiantou na cobrança de uma falta pelo meia Marcelinho Carioca, já nos descontos. “Isso não pode acontecer de jeito nenhum. Assim, não dá...”
Fábio Luciano, outro personagem que ajudou a construir o placar — abriu a contagem — tentou compensar as deficiências da equipe na base do espírito de luta. O zagueiro desempenhou um papel fundamental em um esquema inicialmente seguro, mas que, aos poucos, perderia a força e a ousadia. Ele esteve sempre atento aos contragolpes do Rio Branco. De repente, aparecia no lado de lá para se transformar em mais um atacante do Corinthians. Nas bolas altas ou nos chutes de surpresa de longa distância. Arriscou tudo. “Sabíamos que o Rio Branco não seria fácil. Precisamos reconhecer o mérito deles. Pelo menos, corremos até o fim”, lamentou Fábio Luciano, que preferiu não transferir responsabilidades ou culpar os colegas pelos dois gols do rival.

Corinthians vacila no segundo tempo
(fonte: Gazeta Esportiva)

Trinta minutos de bom futebol e mais nada. Foi assim que o Corinthians apenas empatou por 2 a 2 com o Rio Branco, ontem, em Americana, após estar vencendo por 2 a 0.
O Timão começou arrasador, dando a impressão de que sairia do estádio Décio Vitta com uma goleada. Aos 8 minutos, abriu o marcador, quando Fábio Luciano, sozinho, completou de cabeça um escanteio cobrado por Ricardinho. O Corinthians continuou embalado e ampliou aos 15: Edílson ajeitou para Luizão marcar o seu sexto gol no Paulistão.
O Corinthians teria a chance de fazer mais um aos 26: Marcelinho tentou lançar Fábio Luciano e Tiago, na pequena área, cortou com a mão, mas o árbitro não marcou pênalti.
Vendo que a partida estava fácil, os corintianos brincaram e o Rio Branco aproveitou para fazer o primeiro gol aos 43 minutos, com Beto.
No segundo tempo, logo aos quatro minutos, Éwerthon empatou. O Rio Branco ainda teve duas chances para vencer: Dida defendeu nos pés de Beto e, na outra, Izaias, sozinho, chutou para fora.

Ficha técnica - Rio Branco 2 x 2 Corinthians
(fonte: Gazeta Esportiva)

Rio Branco 2
André; Charles, Tiago, Marcão e Célio Lúcio; Hélcio, Rafael (Izaias), Beto e Bira (Marcinho); Alberto (Hilton) e Éwerthon. Técnico: Cassiá.

Corinthians 2
Dida; Daniel, Fábio Luciano, João Carlos (Batata) e Kléber; Vampeta (Marcos Senna), Edu, Marcelinho e Ricardinho; Edilson (Dinei) e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Local: Estádio Décio Vitta, em Americana.
Data: 14/5/2000. Horário: 16h.
Árbitro: Romildo Correia e Paulo José Danelon.
Assistentes: Hilton Francisco de Melo e Geraldo José V.Pinheiro.
Público: 16.224 pagantes.
Gols: Fábio Luciano aos 8, Luizão aos 15 e Beto aos 43 minutos do primeiro tempo; Éwerthon, aos 4 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Célio Lúcio, Hélcio e Marcinho (Rio Branco); Edu (Corinthians).

Rio Branco - Carrasco Éwerthon deixa a sua marca
(fonte: Gazeta Esportiva)

O atacante Éwerthon, do Rio Branco, foi o grande carrasco corintiano mais uma vez. Depois de ter feito o gol de empate, por 1 a 1, na última quinta-feira, no estádio do Morumbi, ontem ele voltou a aprontar com o ex-time, fazendo o segundo gol do Tigre.
“Fiz toda a jogada do segundo gol. Mas não vi se a bola bateu em alguém. Chutei e quando olhei, vi a bola entrando no gol e saí para comemorar”, disse Éwerthon.
No entanto, ele não ficou satisfeito com o resultado. “Tanto em São Paulo, como em Americana, tínhamos condições de sair com a vitória.”
Ele ressalta que o time tinha tudo para buscar os três pontos. “A incompetência foi nossa por ter desperdiçado tantas chances. Não foi só o Izaias, foi o grupo inteiro. Perdemos três oportunidades que não podem ser desperdiçadas”, disse Éwerthon, cujo passe pertence ainda ao Corinthians e está emprestado ao Rio Branco.
Graças às boas atuações, o técnico Oswaldo de Oliveira já pensa em reutilizá-lo no segundo semestre. “Emprestamos o Éwerthon para ele ganhar um pouco mais de experiência, já que com vários jogadores, ele dificilmente entraria em campo. Ele amadureceu.”
No lado corintiano, só lamentações. Edu foi um dos que mais ficaram chateados. “Com o jogo na mão, nós bobeamos mais uma vez.”

13/05

Misto frio difícil de engolir
(fonte: Gazeta Esportiva)

Está provado que o Corinthians precisa mesmo de sua tropa de elite (os jogadores titulares) para conseguir os melhores resultados nas competições que disputa, o Campeonato Paulista e a Copa Libertadores da América.
Quinta-feira não foi diferente. Quando o técnico Oswaldo de Oliveira colocou apenas dois titulares (Ricardinho e Luizão), o Timão voltou a decepcionar e amargou um empate diante do Rio Branco por 1 a 1. As arquibancadas vazias do Morumbi provaram que a Fiel sabe diferenciar os jogadores considerados titulares dos reservas.
O ‘misto frio’ corintiano só obteve uma vitória, por 3 a 0, sobre o Araçatuba, time que foi rebaixado para a Série A-2 do Campeonato Paulista do próximo ano. Em compensação perderam duas vezes: para a Matonense, em Matão, por 2 a 0, e para a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, por 1 a 0.
Até o volante Marcos Senna, considerado um dos reservas, concorda que o misto alvinegro é fraco. “Nosso time é desentrosado. Atua pouco e precisa pegar ritmo de jogo para melhorar cada dia mais”, conclui o meia.
Por outro lado, Marcos Senna não vê outra alternativa, já que os titulares estão enfrentando uma verdadeira maratona, como aconteceu nesta semana. Domingo, empatou com o Palmeiras por 2 a 2. Na terça-feira venceu o Rosario Central por 3 a 2, mas apenas se classificou na disputa de pênaltis. E, na quinta-feira, empatou com o Rio Branco. “Está tendo um jogo atrás do outro. O Ricardinho e o Luizão jogaram. Eles estão com um desgaste físico grande, não podem ajudar à altura como vinham jogando ultimamente”, explicou Senna.
E a carga emocional dos últimos confrontos atingiu também os reservas, como constatou o próprio meia corintiano. “Até mesmo quem ficou no banco naquele jogo contra o Rosario sentiu o desgaste emocional”.
O técnico Oswaldo de Oliveira também está quebrando a cabeça para armar o time. “Dependo do departamento médico, do fisiologista e do preparador físico para poder escalar a minha equipe. Todos que entram são titulares. Joga quem tiver condições de agüentar o ritmo”, definiu o comandante alvinegro.

Timão se prepara para nova maratona
(fonte: Gazeta Esportiva)

O Corinthians se prepara para mais uma etapa da maratona de jogos, que começa amanhã, contra o Rio Branco, em Americana. Algo com que, acostumado, o técnico Oswaldo de Oliveira brinca: “Bom seria se houvesse um calendário com um ano de 450 dias”.
Depois de encarar o time de Americana, a equipe do Parque São Jorge enfrentará a Ponte Preta no Morumbi, na terça-feira e, dois dias depois, deverá viajar a Belo Horizonte para enfrentar o Atlético-MG, em jogo válido pelas quartas-de-final da Copa Libertadores da América. A maratona se encerra domingo, no clássico contra o Palmeiras, no Morumbi, novamente pelo Campeonato Paulista.
Oswaldo de Oliveira, aliás, ainda não parou para pensar no adversário mineiro. “Só vi o final do jogo entre o Atlético-PR e Atlético-MG, mas o Edson (Cegonha, auxiliar-técnico) foi lá na Baixada assistir à partida”, disse.
O treinador preferiu não comparar o Galo de hoje com o time que o Corinthians derrotou nas finais do Campeonato Brasileiro. “Agora é pelas quartas-de-final de uma competição continental”, limitou-se a dizer Oswaldo de Oliveira.
Mas a prioridade, de momento, é o Campeonato Paulista. O treinador ainda não definiu o time, mas adiantou que o goleiro Dida deve retornar à equipe. “Provavelmente o Dida deve voltar em Americana, porque ele está convocado para a Seleção Brasileira”, afirmou Oswaldo. Ontem, o treinador corintiano dispensou o meia Vampeta, mas o jogador vai voltar aos treinos hoje e deve jogar contra o Rio Branco.

Oposição retoma briga
(fonte: Gazeta Esportiva)

É guerra de novo. A oposição política do Corinthians devolveu ao Tribunal de Justiça de São Paulo a confusa e emaranhada batalha jurídica que insiste em afastar Alberto Dualib da Presidência do clube. O dirigente é acusado de alterar os estatutos para se manter a todo custo no cargo. As complicações jurídicas não param mais de bagunçar o barulhento circo. Aparentemente, tudo não passaria de um indecifrável jogo de xadrez que se desenrola há cinco anos.
O rolo e o balaio começaram no instante em que Alberto Dualib teria mexido — juram os inimigos de plantão — nas regras para se perpetuar no poder.
A última decisão beneficiou a situação. Afinal, o juiz da 2ª Vara Cível do Tatuapé , José Poltronieri de Andrade, recusou-se a executar a sentença em que um colega da mesma instância, Natan Zelinschi de Arruda, determinou o afastamento de Dualib e dos atuais diretores e conselheiros. Conseqüentemente, estariam anulados os atos administrativos assinados pelo presidente desde o ponto de origem da possível ilegalidade reclamada pelos oposicionistas.
Ao contrário do próprio Tribunal de Justiça de São Paulo e do Superior Tribunal de Justiça de Brasília, que haviam ratificado a interpretação de Zelinschi de Arruda, Poltronieri entendeu que o caso estava superado. Dualib já teria cumprido aquele período supostamente irregular.
No entanto, o advogado Oswaldo Trevisan, que representa o empresário Damião Garcia — candidato derrotado nas últimas eleições — apelou ao Tribunal de Justiça de São Paulo contra o mais recente despacho de Poltronieri.
Entre outros argumentos, Trevisan argumenta que Dualib não poderia, em hipótese alguma, convocar as eleições de 1998 — ainda que regidas pelos estatutos antigos, como sugeriu os oposicionistas porque, segundo ele, permanecia clandestinamente na presidência do Corinthians.
No recurso encaminhado ao Tribunal de Justiça, Trevisan lembra que Dualib voltou a alterar recentemente os estatutos — “bem ao estilo de Alberto Fujimori” (ditador do Peru) — para se transformar em uma espécie de eterno dono do Corinthians. “Só que Alberto Fujimori Dualib não é o Corinthians”, provoca Oswaldo Trevisan.
Enquanto isso, estão em andamento os processos do conselheiro Tufi Jubran e Damião Garcia contra Alberto Dualib, que teria se referido aos dois como “canalhas” da oposição. “Nem nos tempos da ditadura militar alguém adotou a atual postura de Alberto Dualib”, comparou Tufi Jubran.

12/05

Marcelinho sonha com artilharia
(fonte: Gazeta Esportiva)

O atacante Marcelinho Carioca sabe da importância de conquistar um Campeonato Paulista. Entretanto, o jogador corintiano tem mais um motivo para estar animado em disputar partidas pela competição regional: a tabela de artilheiros. Com maratona e tudo, apenas dois gols separam o atacante corintiano da liderança na tabela de artilheiros, comandada por França, do São Paulo, que tem 12 gols.
Apesar da ambição de se tornar artilheiro, Marcelinho afirma que em primeiro luga estão as prioridades de seus companheiros de grupo. "Claro que tem a artilharia, mas se tiver de jogar uma só competição, será a Copa Libertadores", afirmou. "Eu estou preocupado com o sucesso do grupo", completou Marcelinho. O atacante corintiano é o vice-artilheiro do Campeonato Paulista, com dez gols, ao lado de Leandro, da Portuguesa.
Jogar o Paulistão tem outra motivação para Marcelinho Carioca. "É preciso empolgação para o Campeonato Paulista. Daqui um pouco, você deixa de jogar e perde a oportunidade de marcar um gol histórico", afirmou o atacante, se lembrando do gol contra o Santos, pelo Campeonato Paulista, que lhe rendeu uma placa na Vila Belmiro.
Ataque produtivo —Para o meia Ricardinho, que já marcou seis gols no Campeonato Paulista, é justamente o ataque uma das características mais importantes do atual elenco da equipe do Parque São Jorge. "O Corinthians, até pelas suas características, não consegue ficar na retranca. Ainda mais quando jogamos em casa, diante de nossa torcida, que nos empurra para a frente o tempo inteiro."

Sucesso faz Timão esquecer maratona
(fonte: Gazeta Esportiva)

O sucesso nas duas competições que está disputando atualmente — o Campeonato Paulista e Copa Libertadores — está fazendo o Corinthians esquecer completamente o desgaste de tantos jogos. Desde o começo do ano tem sido dessa forma.
Dia sim, dia não, os jogadores da equipe do Parque São Jorge têm de esquecer dores musculares e a saudade da família e entrar em campo para enfrentar um adversário disposto a tudo para derrotar o campeão mundial. "O desgaste é normal, mas quando você começa a vencer isso é superado", afirmou Marcelinho.
No treino de quarta-feira, o técnico Oswaldo de Oliveira reuniu todos os jogadores no vestiário do Parque São Jorge. O tema da conversa não poderia ser outro: a maratona de jogos e a importância de cada um na tentativa de superar o natural desgaste. "É um momento de sacrifício. Ninguém tem culpa", afirmou Oliveira."Nosso dia-a-dia tem sido esse", disse o meia Ricardinho, deixando claro que já está acostumado à maratona. "O mais importante é que estamos dando seqüência", avaliou Ricardinho.
Aliás, tantos jogos estão fazendo com que o meia corintiano fique abaixo de seu peso ideal. "Tenho consciência disso, mas não está me atrapalhando. Estou me sentindo bem por enquanto", declarou.
Para Marcelinho Carioca, não importa sofrer um pouco nos jogos. "Mas conseguirmos ter êxito é o mais importante nesta história toda", afirmou. De acordo com o atacante, atualmente, a equipe do Corinthians está preparada para enfrentar qualquer adversidade. "Contra o Corinthians ninguém facilita", garantiu Marcelinho Carioca.

Newton reencarna no Parque S.Jorge
(fonte: Gazeta Esportiva)

Em certos momentos na partida contra o Rosario Central, pelas oitavas-de-final da Copa Libertadores, o Corinthians jogava mal e parecia estar perdendo a classificação para os argentinos. Em um Pacaembu quase lotado e totalmente nervoso, o torcedor que observasse o treinador corintiano, Oswaldo de Oliveira, teria uma surpresa: o técnico estava calmo, tranqüilo, como que se confiasse no sucesso do time do Parque São Jorge. Indagado sobre sua tranqüilidade, Oliveira se comparou ao físico e matemático inglês Isaac Newton, conhecido por formular a lei da gravidade. "Quando Newton escreveu sua primeira teoria, estava no quintal de casa com a guerra acontecendo lá fora há 30 anos", declarou o treinador do Corinthians.
Guerra, aliás, é o que o treinador está enfrentando nesta temporada. Situação semelhante à que Newton foi obrigado a conviver no século XVII, conhecido como o século das guerras. "Tenho de conviver com isso, não posso me desesperar", avalia o treinador.
É o próprio Oswaldo de Oliveira quem justifica a importância de ficar calmo em momentos importantes da Libertadores ou do Campeonato Paulista. "Mesmo no fogaréu, tenho de estar calmo e pensar em resolver os problemas."
Mas a tranqüilidade de Oswaldo de Oliveira tem um preço. No treino após a conquista da vaga para as quartas-de-final da Libertadores, o treinador do Corinthians reclamou do desgaste de ter de comandar a equipe em tantos jogos.
"Eu me canso com a maratona de partidas. Também perco o sono e a fome", declarou Oliveira. De acordo com o treinador, o desgaste é superado com a ajuda de todos.
Próximos jogos - Mas a maratona de jogos de Oswaldo de Oliveira parece estar apenas começando. Sem levar em conta a Copa do Brasil, na qual o Corinthians vai estrear contra o Botafogo (RJ), já na próxima semana a equipe terá mais um confronto de vida ou morte pela Libertadores. O adversário será brasileiro: o vencedor do confronto entre Atlético-PR e Atlético-MG.
Sobre um confronto contra times do mesmo país, Oswaldo de Oliveira parece não ter uma opinião ainda definida. "Conhecemos melhor os rivais, mas eles sabem como atuamos", afirmou.
Segundo o treinador corintiano, o fato de o time do Parque São Jorge estar tomando muitos gols em casa não preocupa. "Quando pegamos o Rosario, todos os outros times que jogaram em casa pela Libertadores tomaram pelo menos dois gols", declarou.

10/05

Corinthians encara pedreira
(fonte: Gazeta Esportiva)

O Corinthians deu azar no sorteio para a definição dos grupos da Copa Mercosul, que aconteceu na tarde de ontem, no Rio. O Timão está no Grupo D, ao lado de Olimpia (Paraguai), Boca Juniors (Argentina) e Nacional (Uruguai). Além do Timão, o Brasil estará representado pelo Flamengo (último campeão), Palmeiras, São Paulo, Cruzeiro, Vasco e Atlético-MG.
A competição vai começar no dia 1º de agosto e terminará em 20 de dezembro. Ao todo, são 20 equipes, divididas em cinco grupos.
Segundo Eduardo Deluca, secretário da Fifa, a novidade este ano é que a Conmebol vai tentar levar o campeão da Copa Mercosul para a disputa da segunda edição do Mundial de Clubes.
O regulamento é o mesmo de 99: o campeão de cada grupo, mais os três melhores segundos colocados, se classificam para as quartas-de-final, que serão disputadas no sistema mata-mata, como as semifinais. A final será disputada numa melhor de três jogos.
O clube que entrar com uma equipe reserva será multado. Também será punido com multa o jogador, o técnico ou o dirigente que criticarem publicamente a organização da competição.
Premiação — O campeão vai embolsar US$ 3 milhões, enquanto o vice terá US$ 1 milhão. Contando com as cotas dos jogos o campeão receberá aproximadamente US$ 4 milhões.
Na primeira fase, a cota é de US$ 200 mi. Na segunda fase, o valor passa a ser US$ 400 mil, chegando a US$ 600 mil a partir da terceira fase. Esta é a maior premiação paga numa competição pela Conmebol. A Associação do Futebol Argentino ainda não indicou dois de seus representantes. Para efeito de sorteio foram chamados Argentina 5 e 6.

 

08/05

Emoção para todas as torcidas
(fonte: Gazeta Esportiva)

O que era para ter sido um clássico meia-boca acabou se transformando na melhor partida do Campeonato Paulista até agora. Corinthians e Palmeiras jogaram muita bola ontem à tarde, desperdiçaram inúmeras chances de gol e o Derby terminou igual: 2 a 2.
O jogo eletrizante foi um presente para os 14.334 torcedores que compareceram ao estádio do Morumbi. “Foi uma partida muito bonita e quem ganhou foi o público”, disse o atacante Luizão. “Quem veio ao Morumbi certamente saiu satisfeito”, concordou Alex.
No entanto, os grandes rivais, que proporcionaram um espetáculo cheio de alternativas, quase estragaram a festa. Se o estádio não recebeu um público maior, a culpa foi dos dois treinadores, que acenaram, durante a semana, com a possibilidade de poupar a maioria dos titulares.
Quando as escalações foram anunciadas, uma surpresa: Alex, Júnior, César Sampaio e Rogério — nenhum deles, a princípio, estava na concentração alviverde — reforçavam o completo Palmeiras. “Fiz uma jogada para tentar enganar o Oswaldo. É uma tática que qualquer treinador usa”, resumiu o Luiz Felipe Scolari. “Nós já sabíamos que isso aconteceria. Sabia que eu iria jogar”, confessou Alex.
Do lado do Corinthians, apenas Ricardinho e Luizão ficaram como opção no banco de reservas, mas entraram durante o jogo. “Eu estava sentindo dores musculares e resolvemos começar no banco”, explicou o centroavante Luizão.
Consumado o marketing às avessas, as duas equipes entraram ligadas em campo e os gols não demoraram a sair. Logo aos sete minutos, Alex cobrou escanteio pela direita e surpreendeu o goleiro Dida, marcando um gol olímpico.
O Palmeiras, porém, mal teve tempo para comemorar. No minuto seguinte, Dinei cruzou na pequena área e encontrou a cabeça do pequenino Marcelinho: 1 a 1.
O clássico continuou a todo vapor. Alex deixou Pena na cara do gol e o atacante não perdoou, tocando entre as pernas de Dida, aos 14 minutos.
O empate do Timão veio ainda no primeiro tempo. Marcelinho cobrou falta com perfeição, no ângulo, aos 39 minutos. Marcos nem esboçou reação. A partir daí, o rendimento caiu um pouco, mas as chances de gol continuaram para os dois lados. A etapa final foi emocionante, mas a sorte e os dois goleiros impediram que o Derby terminasse com um vencedor.

Ficha técnica: Corinthians 2 x 2 Palmeiras
(fonte: Gazeta Esportiva)

Ficha técnica do jogo entre Corinthians 2 x 2 Palmeiras


CORINTHIANS 2
Dida; Índio, João Carlos, Batata e Kléber; Gilmar (Ricardinho), Vampeta, Edu e Marcelinho; Edílson e Dinei (Luizão).Técnico: Oswaldo de Oliveira.

PALMEIRAS 2
Marcos; Rogério, Argel, Agnaldo e Júnior; Galeano, César Sampaio, Pena (Tiago) e Alex; Basílio (Marcelo Ramos) e Euller (Fernando). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi), em São Paulo-SP.
Data: 07/05/2000.
Árbitro: Paulo César de Oliveira e Ilson Honorato dos Santos.
Assistentes: Flávio Lúcio Magalhães e Willian Valdemir Zaccaria.
Gols: Alex aos sete, Marcelinho aos oito, Pena aos 14 e Marcelinho aos 39 minutos do 1º tempo.
Cartões amarelos: Gilmar, Edu, Marcelinho e Edílson (Corinthians); Júnior, César Sampaio, Argel e Pena (Palmeiras).
Cartão vermelho: Agnaldo (Palmeiras)

Marcelinho admite: gol foi por acaso
(fonte: Gazeta Esportiva)

O primeiro gol de Marcelinho no clássico de ontem foi sem querer. Palavra do autor do gol, Marcelinho Carioca, que admitiu ter tentado apenas ajeitar a bola para Edílson, que vinha na corrida. "A bola ganhou um efeito diferente e acabou entrendo. Foi melhor ainda", admitiu.
Quando Marcelinho diz que a camisa do Corinthians "é minha segunda pele", é algo mais do que demagogia. Nos clássicos, especialmente contra o Palmeiras, parece que ele se supera em campo. Ontem não foi diferente. Ele foi o principal destaque corintiano, marcando dois gols.
"Estou muito feliz. Afinal, fazer dois gols num clássico como esse é muito bom. É muito gostoso. Tem um sabor especial, é melhor", disse o jogador, que agora tem dez gols e é o principal goleador do Corinthians, além de vice-artilheiro do Paulistão.
"Não penso em ser artilheiro. O mais importante é que eu estou ajudando o time a conseguir bons resultados", disse Marcelinho.
No primeiro gol, aos oito minutos, ele recebeu um cruzamento perfeito e completou de cabeça. No segundo, recorreu a uma de suas especialidades: em uma cobrança de falta perfeita, fez a bola cair no ângulo do goleiro Marcos, que nem se mexeu.

07/05

Corinthians joga por obrigação
(fonte: Gazeta Esportiva)

O Corinthians entra em campo hoje para enfrentar o Palmeiras por pura obrigação, na segunda rodada da 3ª fase do Campeonato Paulista, às 16h, no estádio do Morumbi.
Até alguns jogadores admitem que, se fossem meros torcedores e se tivessem aquele dinheiro contado, guardariam para comprar o ingresso para a partida de terça-feira, quando o Corinthians vai fazer o jogo de sua vida contra o Rosario Central, valendo vaga nas quartas-de-final da Copa Libertadores. Como o Timão perdeu por 3 a 2 na Argentina, precisará da vitória por diferença de pelo menos dois gols para continuar na competição sul-americana.
"Eu pularia o muro para ver o jogo contra o Palmeiras e pagaria para ver o confronto contra o Rosario", disse o zagueiro Adílson. O mesmo pensamento é compartilhado pelo companheiro Edílson. "O torcedor não agüenta mais ficar pagando ingresso para todos os jogos. Se eu fosse torcedor, eu não assistiria ao jogo contra o Palmeiras. Guardaria o dinheiro para terça-feira."
O meia Marcelinho não escondeu que a preferência do Timão é mesmo pela Libertadores. "Todos estão conscientes aqui que a principal competição é a Libertadores."
Até o técnico Oswaldo de Oliveira ressalta que a partida acabou perdendo um pouco o seu valor devido à grande quantidade de clássicos entre os dois rivais nos últimos tempos. "Tem tanto Corinthians e Palmeiras que o jogo acaba perdendo um pouco do seu charme", disse. Apesar de só confirmar o time momentos antes da partida, Oliveira deu algumas pistas sobre como poderá armar o seu time. "O Fábio Luciano está machucado (se recupera de uma contratura na coxa direita), o Ricardinho tem perdido muito peso e os laterais estão sendo muito exigidos nas últimas partidas", confidenciou.
Ele garante que não vai mandar o mistão a campo. "Não vou colocar time misto. Vou escalar os jogadores que estiverem em condições." Na opinião do treinador, os seus comandados até agüentariam jogar as duas partidas seguidas. "Mas tenho de pensar mais adiante."
O técnico corintiano está preparado para ser o "Judas" dos torcedores. "Não dá para agradar todo mundo. São 20 milhões de torcedores. Uns querem a Copa Libertadores, enquanto outros preferem o Campeonato Paulista."
Para Oswaldo de Oliveira, o resultado no clássico não vai influenciar em nada para terça-feira, contra os argentinos. "Nunca levo a questão rivalidade para o campo. Para mim, todo jogo é importante e este não vai ser diferente. Ainda mais sendo um clássico."

FICHA TÉCNICA DO JOGO

CORINTHIANS
Dida; Daniel, Adílson, João Carlos e Márcio Costa; Vampeta, Edu Marcelinho e Ricardinho; Edílson e Dinei. Técnico: Osvaldo Oliveira.

PALMEIRAS
Marcos; Neném, Argel, Agnaldo e Tiago; Fernando, Galeano, Pena e Asprilla; Basílio e Marcelo Ramos. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).
Data: 07/05/00. Horário: 16h.
Árbitros: Paulo César de Oliveira e Ilson Honorato dos Santos.
Assistentes: Flávio Lúcio Magalhães e William Valdemir Zaccaria.

Procurem Ricardinho
(fonte: Gazeta Esportiva)

O meia Ricardinho garante que dificilmente será encontrado pelos adversários no clássico de hoje. A receita é simples. “O negócio é procurar se movimentar o tempo inteiro”, disse. “Como o campo do Morumbi tem dimensões muito grandes, é difícil que os adversários fiquem os 90 minutos em cima de mim”, garante.
O jogador está consciente de que depois que começou a se destacar jogando no meio-campo do Corinthians, indo parar na Seleção Brasileira, os marcadores estão sendo implacáveis e grudam como se fossem verdadeiros carrapatos.“A marcação é sempre forte porque estou num setor no qual se criam as principais jogadas da equipe”. Ele ressalta que a marcação acontece “principalmente do meio-campo para frente”, disse o camisa 11 corintiano.
Na opinião do maestro corintiano, o fato de o Palmeiras vir de derrota na Libertadores — perdeu por 2 a 0 para o Peñarol — não vai afetar o clássico. “É um jogo totalmente diferente. É um outro campeonato e as duas equipes vão querer lutar pela vitória que pode valer a classificação do Paulistão.”
Ricardinho ressalta que o Timão não deve priorizar nenhuma competição. “A nossa prioridade sempre será o próximo jogo.”
Ricardinho garante que tem fôlego para agüentar as partidas de hoje e terça-feira. “A questão é saber se o rendimento nos dois jogos será o mesmo. É um intervalo muito pequeno entre um jogo e outro. Há um desgaste porque terça teremos mais uma decisão pela frente. E num campeonato ainda mais importante”, disse o camisa 11 do Corinthians.

Descanso adiado
(fonte: Gazeta Esportiva)

Edílson quer jogar agora para, depois, poder descansar um pouco no Campeonato Paulista. A lógica do meia faz sentido: para ele, ganhar do Palmeiras hoje significa um passo muito grande rumo à classificação antecipada, condição que pode ser aproveitada mais tarde para amenizar a maratona de partidas.
“Ambos os times estão em primeiro lugar no grupo. Uma vitória vale a liderança isolada e também nosso futuro se garantirmos a classificação antecipada, pois o Corinthians poderá novamente poupar os jogadores.”
Edílson garante que o clássico mexe muito com todos. “As duas equipes querem ganhar o jogo, já que a cobrança é muito grande por parte da torcida e também da imprensa”, constatou.
Ele garante que o clima de ansiedade toma conta de todos os jogadores. “Nós queremos que chegue logo a hora do jogo”. Ele ressaltou, no entanto, que devido à grande rivalidade, às vezes os jogadores se exaltam demasiadamente. “O nervosismo e a pressão, às vezes, fazem com que os jogadores façam coisas que até Deus duvida”, disse. Justamente como a embaixada que ele próprio fez na final do Campeonato Paulista do ano passado, provocando o tumulto que impediu a continuidade do jogo.
Sorte — Edílson relembra que na maioria das vezes em que enfrentou o zagueiro Argel levou a melhor. “Espero que continue hoje.” Edilson e Argel se enfrentaram não só no Brasil, mas também no Japão. Edílson garante que Argel sempre foi muito leal. “Acho que ele sempre vai na bola”, garante, defendendo o colega. “As vezes ele chega mais forte por causa do seu porte físico.”

06/05

Check-up
fonte: Gazeta Esportiva

A máquina corintiana vai passar por um check-up. Como o Timão vai ter duas partidas seguidas — amanhã contra o Palmeiras pelo Campeonato Paulista, e terça-feira contra o Rosario Central pela Copa Libertadores, o técnico Oswaldo de Oliveira ainda não definiu os titulares. Ele pretende conversar com os jogadores para saber qual será a real situação de cada um. “É prematuro decidir quem será o titular. Ainda tenho mais dois dias para pensar”, analisou.
Marcelinho ainda não foi perguntado, mas se coloca à disposição. “Se tiver que atuar, tudo bem. Estou pronto. Todo mundo quer jogar um clássico”. Em sua opinião, o treinador vai saber escalar a melhor equipe. Para o Pé de Anjo, a equipe está preparada para o que vier. “O maior problema é que uns estão com ritmo de jogo e outros não. Mas nada vai interferir no nosso grupo, que quer a vitória a todo custo.”
Vampeta também ressalta que tem fôlego suficiente para atuar nas duas partidas consecutivas. “Jogo as duas, sem nenhum problema”, assegurou. O goleiro Dida também garante que tem condições e não vê muita dificuldade em atuar tanto amanhã quanto na terça-feira. “Como fico mais parado, não tenho tanto desgaste assim”, falou.
O atacante Luizão já defende a idéia de um acordo entre os dois clubes. “Tanto o Palmeiras quanto o Corinthians têm que conversar para esse jogo. Ambos têm vários títulos paulistas. A Libertadores o Palmeiras tem uma e o Corinthians não. Eu acho que deveria haver um acordo para que as duas equipes entrassem com um time misto.” Mas Luizão garante que está pronto. “Amanhã (hoje) virei ao treino com a minha bolsa para seguir direto para a concentração, se for relacionado”.
O meia Edu vai esperar uma posição do treinador. “Todo mundo tem que estar pronto. Vontade é que não vai faltar”.
Dúvida — O zagueiro Fábio Luciano, que está se recuperando de uma contratura na coxa direita só vai saber hoje se terá condições de jogo. O médico Joaquim Grava adianta que ele tem remotas chances de atuar amanhã. “As possibilidades são pequenas, porque o músculo tem que cicatrizar.” Com poucas chances de Fábio Luciano jogar, a defesa deverá ser composta por Adílson e João Carlos.

Edílson está louco para pegar o Verdão
fonte: Gazeta Esportiva

O atacante Edílson está com muita vontade de jogar o clássico contra o Palmeiras, amanhã, no Morumbi. “Não gosto de ficar concentrado para não jogar. Quero participar de clássicos, fazer gols e belas jogadas”, explicou..
Além disso, o Capetinha tem outro motivo para entrar em campo. Ele conseguiu se livrar de uma suspensão, já que foi expulso na vitória por 2 a 1 contra a Ponte Preta, no último domingo, em Campinas. Ele acabou absolvido no julgamento antecipado realizado na última quinta-feira, na sede da FPF. “Ainda não sei se estarei jogando. Vai depender do Oswaldo de Oliveira. O mais importante agora é que eu tenho condições e quero ajudar o Corinthians a conquistar mais uma vitória”, disse.
Na opinião de Edílson, o cansaço de jogar as partidas contra Palmeiras e Rosario Central seguidas afetam mais o lado psicológico. “Se entrar com determinação domingo e terça-feira, não vai haver problema algum.”
Para o Capetinha, os dois jogos serão decisivos. “Ambos exigirão dos atletas e vai depender da condição física de cada um.”
Ele não quis comentar o incidente em que fez embaixada na final do Paulistão do ano passado. “Isso faz parte do passado.”

Federação desmente represália
fonte: Gazeta Esportiva

A Federação Paulista de Futebol desmentiu na tarde de ontem que o Corinthians perderia a cota fixa de R$ 600 mil por jogo nessa fase do Campeonato Paulista caso escalasse time misto amanhã contra o Palmeiras. “Não sei de onde surgiu essa notícia”, disse Eduardo José Farah, presidente da entidade.
Uma informação dava conta que, se o clube passasse para as semifinais, não teria o direito de ganhar os R$ 700 mil de cota, e só ganharia com as arrecadações nas bilheterias.
Quem ficou uma fera com a notícia foi Carlos Nujud, diretor de futebol do clube. “O problema é que os técnicos de plantão já escalaram o Corinthians que vai jogar contra o Palmeiras”, ironizou. O dirigente garante que sempre teve um bom relacionamento com o presidente da FPF.

05/05

Oswaldo sem medo da Federação
(fonte: Gazeta Esportiva)

O técnico Oswaldo de Oliveira, do Corinthians, não tem medo da Federação Paulista de Futebol. Com dois jogos consecutivos e decisivos — domingo contra o Palmeiras, pelo Paulistão, e terça-feira com o Rosario Central, pela Libertadores —, ele ainda não decidiu se vai escalar um time misto ou o titular para o clássico. “Tenho até domingo para decidir. Vou fazer o que for melhor para o Corinthians.”
Apesar de ter sido multado por duas vezes — total de R$ 150 mil — como noticiado com exclusividade por A Gazeta Esportiva na edição de 27 de abril, ele não tem medo de receber novas autuações. “Aquela multa não vai influenciar em nada na minha decisão. Tenho total respaldo da diretoria corintiana.”
Poupar os titulares é um questão que divide o elenco corintiano. Alguns jogadores são favoráveis à decisão, outros preferem acatar a decisão do treinador. O atacante Luizão, principal destaque corintiano ao marcar os dois gols na derrota por 3 a 2 para o Rosario Central, quarta-feira, é da opinião de poupar alguns companheiros.
“Terça-feira vai ser uma partida decisiva, é o jogo da vida do Corinthians. O Campeonato Paulista ainda vai ter muitos jogos pela frente depois do clássico”, justifica.
Na opinião do jogador, o Timão vai ter de priorizar a competição sul-americana. “Se o Corinthians quiser continuar na Libertadores, terá de abrir mão de alguma coisa. É muito difícil jogar um clássico no domingo e depois enfrentar o Rosario dois dias depois. O Corinthians tem vários títulos paulistas e ainda não tem nenhuma Libertadores.”
Na opinião de Luizão, até a torcida corintiana vai entender a decisão. “Ela aceitaria, porque o importante é conquistar um título que o clube não tem”, disse. No entanto, ele se coloca à disposição para entrar em campo domingo. “Assim como o Vampeta, eu também tenho fôlego suficiente. Alguns jogadores sentem mais e isso pode acabar prejudicando bastante para terca-feira.”
O camisa 9 do Timão também tem outro interesse na competição internacional. Ele é o principal artilheiro, com dez gols, apesar de a Confederação Sul-Americana ter tirado um gol seu — creditado para o lateral Kleber, na partida em que o Corinthians empatou com o Olímpia por 2 a 2, no Paraguai. “Meu objetivo também é ser artilheiro. O Corinthians está entrando com pedido para pegar meu gol de volta. Mas é claro que o importante é ser campeão”, discursou.
O outro atacante titular, Edílson, se livrou da suspensão e quer encarar o Palmeiras. “Estou pronto para ajudar o Corinthians”, garante. Ele prefere que o treinador escale os titulares. “Eu quero é jogar. O time vai precisar de força máxima.” Para Ricardinho, quem decide é o treinador.

Dida admite falha
(fonte: Gazeta Esportiva)

“Tentei fazer o certo. Temos de aprender com os erros”. Com essas palavras, o goleiro Dida, do Corinthians, admitiu que falhou no primeiro gol do Rosario Central na derrota por 3 a 2.
“Tentei colocar a bola para fora e ela bateu no Adilson. Procurei acertar, mas acabei errando”, justificou. No entanto, ele garante que está tranqüilo para os próximos jogos. “Não posso me abater. A minha dedicação sempre vai ser a mesma. Vou enfrentar os adversários de cabeça erguida.”
Paulo César Gusmão, preparador de goleiros do Corinthians e da Seleção Brasileira, reconheceu que Dida não foi feliz no lance do primeiro gol. “Houve falha. Ele não precisava ter saído, já que tinha um zagueiro na jogada.”
Gusmão lembrou ainda que tem procurado corrigir os erros do camisa 1. “Ele tem dificuldade principalmente nas saídas de bola. Precisamos trabalhar ainda mais para que os erros sejam sanados.”
Na opinião do zagueiro João Carlos, houve falha de comunicação. “Foi evidente que o barulho da torcida atrapalhou a comunicação entre o Dida e o Adílson.”
O técnico Oswaldo de Oliveira, no entanto, procurou inocentar Dida e a defesa pela derrota. “Se houve falhas na zaga, é porque aconteceram erros na frente. Se aconteceram gols, é porque erramos.”

Mello quer dar trégua aos jogadores
(fonte: Gazeta Esportiva)

O preparador físico do Corinthians, Antônio Mello, defende a idéia de dar uma trégua para os jogadores nos treinamentos. “Agora, com essa seqüência de jogos, não adianta mais ficar treinando”, disse. “O Corinthians hoje passa por uma fase de recuperação física”, explicou. Na opinião de Mello, os jogadores precisam se recuperar do desgaste pelo excesso de jogos que vai continuar enfrentando nos próximos dias. “A idéia agora é priorizar a alimentação e o descanso. Isso é o principal neste momento.”
Para o clássico de domingo, contra o Palmeiras, o preparador físico corintiano espera ver os titulares em campo. “O time deverá jogar completo, mas de acordo com o que tiver de melhor no dia da partida”, ressaltou.

Edílson quer a vingança em SP
(fonte: Gazeta Esportiva)

O atacante Edílson não ficou tão assustado com a derrota do Corinthians, pois ele garante que a equipe tem condições de reverter a situação terça-feira, em São Paulo. Da curta excursão a Rosario, o que o jogador não aprovou mesmo foi a atitude da torcida local, que não deixou os corintianos dormirem, fazendo muito barulho na porta do hotel na madrugada de quarta.
Por causa disso, Edílson quer vingança. “Eles fizeram muito barulho, soltaram fogos e não deixaram a gente dormir direito. Além disso, houve muita pressão dentro e fora de campo. É importante que a nossa torcida fique sabendo do episódio para que possa fazer o mesmo aqui.”
Alívio — Edílson está aliviado. Ele foi julgado na manhã de ontem na FPF pela sua expulsão na vitória por 2 a 1 sobre a Ponte Preta e foi absolvido. “Eu esperava por este resultado. Fui caçado em campo e, de repente, acabei expulso sem ter feito nada.”
O advogado do clube, João Zanforlim, achou que a justiça foi feita. "Foi uma medida certa e justa pelas provas que foram apresentadas. Tanto que a decisão foi unânime.”

04/05

Corinthians é derrotado pelo Rosario por 3 a 2
(fonte: Gazeta Esportiva)

Rosario (Argentina) - Na sua estréia nas oitavas-de-final, o Corinthians por pouco não decepcionou sua torcida na noite desta quarta-feira. Jogando fora de casa, o Timão acabou sendo derrotado pelo Rosario Central por 3 a 2, após estar perdendo por 3 a 0. Os gols do time argentino foram marcados por Pizzi, Macceratessi e Cappelleti. Já os gols do Timã foram marcados pelo atacante Luizão. Com o resultado, apenas uma vitória por dois gols de diferença no jogo de volta classifica o Timão para a próxima fase.

Copa Mercosul - Corinthians tem outra chance
(fonte: Gazeta Esportiva)

Este ano o Corinthians vai ter mais uma chance para provar que não é um time caseiro. Por ter sido o último campeão brasileiro, ele vai participar da Copa Mercosul.
Além do Timão, também foram indicados pela CBF para a Confederação Sul-Americana de Futebol o Atlético-MG, vice-campeão, e o São Paulo, terceiro colocado no Brasileirão de 99.
A entidade ainda deverá convidar ainda mais quatro times brasileiros para a competição, que tem seu início previsto para o segundo semestre, em datas a serem definidas.
Além dos brasileiros, participarão também quatro equipes argentinas convidadas pela CSA e duas indicadas pela Associação do Futebol Argentino (AFA); duas equipes uruguaias, três chilenas e duas paraguaias, todas convidadas pela Confederação Sul-Americana de Futebol.
O Corinthians vai ter mais uma possibilidade para se firmar nessa competição sul-americana, já que nas duas competições anteriores não foi tão bem quanto esperava.
No ano passado, o Corinthians teve uma boa campanha, sendo eliminado nas quartas-de-final pelo San Lorenzo, por quem foi derrotado duas vezes. Tanto em São Paulo quanto na Argentina, o time brasileiro perdeu por 2 a 1.
Na primeira fase, o Corinthians ficou em segundo lugar do Grupo B, com dez pontos. — o primeiro colocado foi o Independiente, da Argentina, com um ponto a mais. Além das duas equipes, participaram também Grêmio e Vélez Sarsfield, da Argentina.
A campanha do Timão foi a seguinte: em seis jogos, obteve três vitórias, um empate e duas derrotas, marcando dez gols e sofrendo cinco.
Na Copa Mercosul de 98, o Corinthians nem passou da primeira fase, ficando em terceiro lugar do Grupo C, com cinco pontos, à frente apenas do Peñarol e atrás de Racing e Olímpia.
Naquele ano, a campanha do Corinthians não foi nada boa. Em seis partidas, obteve apenas uma vitória, no último jogo sobre o Peñarol, por 2 a 0, no Uruguai. Além disso, foram dois empates e três derrotas.

Alvinegros ganham folga nesta quinta-feira
(fonte: Gazeta Esportiva)

Depois de enfrentar ontem à noite o Rosário Central pelas oitavas-de-final da Copa Libertadores da América, o Corinthians volta hoje pela manhã a São Paulo.
Mas os jogadores ganham uma folga e só voltam aos treinamentos amanhã pela manhã, no Parque São Jorge, visando o segundo jogo da terceira fase, quando vão enfrentar o Palmeiras, no estádio do Morumbi. Os dois times estão na liderança do Grupo 8, com três pontos cada, além de ter estreado bem nesta fase, vencendo fora de casa. O Palmeiras derrotou o Rio Branco por 3 a 1, enquanto o Corinthians ganhou da Ponte Preta por 2 a 1.
Para essa partida, o técnico Oswaldo de Oliveira deverá contar com a volta do zagueiro Fábio Luciano, que ficou em São Paulo tratando de uma contratura muscular na coxa direita.
Na torcida — Ao mesmo tempo em que o Timão estará voltando de Rosário, acontece no Tribunal da FPF o julgamento de Edílson, que foi expulso na última partida do time.

03/05

Corinthians dá tiro no escuro
(fonte: Gazeta Esportiva)

O Corinthians está dando a maior sopa para o azar na sua estréia nas oitavas-de-final da Copa Libertadores da América, hoje, às 21h, enfrentando o Rosário Central no estádio Gigante de Arroyito, na Argentina.
Os brasileiros darão um tiro no escuro. Afinal, os jogadores e o próprio técnico Oswaldo de Oliveira só analisariam os teipes do adversário na noite de ontem, na concentração. Com todo esse problema, a velha garra e raça corintiana serão as principais aliadas dos brasileiros nesta partida.
O comandante corintiano recebeu as fitas somente antes do embarque ontem para a Argentina. “Recebi o meu arsenal. Vamos tomar conhecimento e passar para os jogadores. Vamos ver o que pode ser feito nesse sentido”, disse o técnico Oswaldo de Oliveira em entrevista à Rádio Bandeirantes.
O próprio atacante Edílson também ressaltou que, por isso, o jogo vai ficar ainda mais difícil. “Não conhecemos o adversário”, confirmou o Capetinha.
Mesmo com tantas adversidades, o técnico acredita que o seu time vai saber como dar a volta por cima nessa situação. “A equipe tem experiência nesse tipo de competição e sabe das adversidades que vai encontrar. Temos tudo para trazer um bom resultado.”
Oswaldo de Oliveira sabe das dificuldades na Argentina. “Vamos encontrar um adversário aguerrido, que vai buscar a vitória a todo custo.”
Até a questão dos critérios diferenciados de arbitragem entre Brasil e Argentina não será problema para o Timão. “Muitas vezes, a arbitragem tem uma forma diferente de apitar, mas a equipe tem de procurar se adaptar a essa adversidade. Temos de procurar passar por mais essa barreira. É mais um obstáculo que precisa ser vencido.”
O técnico Oswaldo de Oliveira ressalta que o Corinthians tem um aliado a seu favor: decidir a vaga em casa, na partida de volta.
“Acho que temos uma vantagem, porque temos objetivo de conseguir um bom resultado fora e depois ter a tranqüilidade para decidir no Pacaembu", disse.
Para o meia Ricardinho, a pressão vai ser enorme. “Toda vez que existe o confronto entre Brasil e Argentina há muita rivalidade, mas só no campo”, garante o camisa 11 do Timão. O atacante Luizão, que tem sete gols na Libertadores, está confiante num bom resultado do time. “Teremos de aproveitar os contra-ataques.”

Ficha técnica

ROSÁRIO CENTRAL
Buljubasich; Marra, Canals, Gerbaudo e Cappelletti; Quinteros, Gordillo, Moreno e González; Maceratesi e Pizzi. Técnico: Edgardo Bauza.

CORINTHIANS
Dida; Daniel, Adílson, João Carlos e Kléber; Vampeta, Edu, Ricardinho e Marcelinho; Edílson e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Local: Estádio Gigante de Arroyito, em Rosário (Argentina).
Data: Hoje. Horário: 21h (horário de Brasília, com TV PSN).
Árbitro: Ubaldo Aquino (Paraguai).
Assistentes: Carlos Torres e Cecilio Bejarano, ambos paraguaios.

Marcelinho teme malandragem
(fonte: Gazeta Esportiva)

O meia Marcelinho acredita que seu time tem condições de voltar ao Brasil com um resultado positivo esta noite. “Estamos prontos. O Corinthians está preparado para jogar em qualquer lugar”.
Entretanto, o Pé de Anjo teme que os corintianos sofram com as pancadas dos argentinos. “Eu acho que nós sofreremos um pouco devido à malandragem da defesa adversária, principalmente pela rivalidade entre argentinos e brasileiros.”Ele garante que os corintianos não vão se intimidar . “Temos respeito pelo adversário, mas a nossa equipe é experiente e tranqüila e sabe o que tem de fazer para vencer uma partida.
Nossos atacantes são bem inteligentes e tarimbados e não vão se deixar levar por nada.”Marcelinho dá a receita para voltar com os três pontos para a casa. “Temos de jogar com muita inteligência, principalmente sabendo explorar os nossos contra-ataques, que são bastante rápidos.”
Morte - A morte de Cláudio Christóvan do Pinho, principal artilheiro do Timão, com 295 gols, mexeu com os corintianos. Hoje eles entrarão de luto para enfrentar o Rosário Central, pela Libertadores.
O meia Marcelinho, que é o sexto maior artilheiro do clube, com 177 gols, ficou sabendo do falecimento do ex-atacante por meio da reportagem de A Gazeta Esportiva. Ele lamentou a perda. “Acho que sou o primeiro jogador a receber a notícia. Apesar de não tê-lo conhecido, é um dia triste para todos os corintianos”, disse Marcelinho. “Mas ele vai ficar guardado na memória para sempre.Jamais alguém vai esquecer porque faz parte da história do clube”.
O camisa 7 garante que caso o time vença os argentinos, a vitória deverá ser dedicada ao ex-jogador e, principalmente, para a família. “Dedicaremos para a família. Temos de dar a maior força neste momento.”

Julgamento de Edílson será na quinta-feira
(fonte: Gazeta Esportiva)

O departamento jurídico do Corinthians conseguiu uma vitória. João Zanforlim, advogado do clube, obteve a antecipação do julgamento de Edílson para quinta-feira de manhã. O Capetinha foi expulso na vitória por 2 a 1 sobre a Ponte Preta, no Estádio Moisés Lucarelli, e não enfrentaria o Palmeiras domingo, no Morumbi.
“O Corinthians vai mostrar a imagem do lance em que o Edílson foi agredido pelo adversário (Ronaldão) e nada aconteceu com ele”.O advogado corintiano alerta: “nesse julgamento pode sobrar alguma coisa para o Ronaldão, mesmo se ele não levou o vermelho na partida”, afirmou.
Mudança — O Corinthians só vai ter uma mudança para o jogo desta noite. Com uma contratura muscular na coxa direita, o zagueiro Fábio Luciano nem viajou, e vai ser substituído por Adílson, que volta de contusão. Ele se recuperou de um torcicolo.

Rosário admite ser inferior
(fonte: Gazeta Esportiva)

O técnico do Rosario Central, Edgardo Bauza, teme que sua equipe saia do jogo de hoje com um resultado negativo. Ele reconhece que o Corinthians passa por boa fase e é um dos principais candidatos ao título da Copa Libertadores. “O Corinthians é uma equipe perigosa, terrível. Eles têm jogadores muito bons como Vampeta, Luizão, Edílson e Marcelinho”, resumiu o treinador argentino.
Bauza acredita que um dos segredos para a equipe se superar em campo contra um adversário que reconhece ser superior tecnicamente é a concentração durante os 90 minutos. “Devemos ser inteligentes na marcação para não nos desesperarmos, mas também não podemos perder a convicção para atacar”, disse Bauza.
Talvez se valendo de um recurso psicológico para que seus jogadores não entrem em campo nervosos, o treinador acha que não se deve dar tanta importância ao jogo de hoje. “Tudo será decidido no segundo jogo”, afirmou.
Com uma campanha apenas regular no Campeonato Argentino — a equipe está em 12º lugar, a nove pontos do líder River Plate —, a Libertadores passou a ser prioridade do Rosario, que tem na dupla de ataque, formada por Maceratezi e Pizzi, a sua principal arma. Os dois já marcaram juntos na competição sul-americana nove gols.
Pizzi, que já jogou no Barcelona, River Plate e defendeu a seleção espanhola na última Copa do Mundo, na França, era dúvida até segunda-feira. O jogador estava contundido, mas foi liberado pelo departamento médico, voltou a treinar normalmente e garantiu presença no duelo de hoje.

Morre Cláudio, maior artilheiro da história do Corinthians
(fonte: Gazeta Esportiva)

Morreu, aos 77 anos, Cláudio Christóvan de Pinho, ex-ídolo das torcidas de Santos, Palmeiras, São Paulo e, principalmente do Corinthians. No currículo, exibia com orgulho: maior artilheiro do Timão (295 gols).
Cláudio nasceu e morava em Santos, no bairro do Embaré, bem pertinho da praia, onde costumava encontrar os amigos para uma partida de tamboréu. Nos últimos meses, vinha tendo problemas cardíacos, com constantes idas e vindas ao hospital. Às 2h da madrugada de anteontem, Cláudio faleceu. O enterro será hoje, às 10h, no Memorial Necrópole Ecumênica, em Santos. Ele era casado com dona Norma e tinha um casal de filhos.
Ponta nato, que não se cansava de infernizar a vida dos adversários, Cláudio também defendeu as seleções Paulista e Brasileira. Teve passagem meteórica como treinador do Corinthians (58), mas não se entusiasmou. Como maior artilheiro da história do clube, estava acostumado com constantes homenagens e vibrava com a campanha do time de coração nos últimos anos.
Não era de freqüentar estádios. O futebol não é mais o mesmo da sua época, onde valia a paixão e a técnica apurada. Gostava do papo informal, quando contava as inúmeras façanhas vividas nos quatro grandes de São Paulo. Como a do primeiro gol que marcou pelo Timão: um gol olímpico em cima do arqui-inimigo Palmeiras, em 45, no Pacaembu.
O ex-zagueiro Olavo Martins, também nascido em Santos e que jogou com Cláudio no Corinthians, mostrou-se abalado com a morte do amigo: “Era um ser puro, como poucos. Tive o privilégio de desfrutar da sua amizade, jogar ao seu lado. Sem dúvida, um dos melhores atacantes do futebol brasileiro.”

02/05

Denúncia envolve a diretoria
(fonte: Gazeta Esportiva)

Os dirigentes do Corinthians estão usando o mesmo artifício que os jogadores alvinegros usam em campo - a habilidade - para escapar da informação de que a compra do terreno para a construção do novo estádio do clube estaria envolvendo superfaturamento. Procurados pela reportagem de A Gazeta Esportiva, diretores não quiseram falar sobre o assunto.
A notícia surgiu na última edição da revista Veja. Segundo o semanário, o dono do terreno onde a obra seria erguida foi procurado por um importante pessoa ligada ao clube. Ele teria sugerido ao dono que inflacionasse o valor do imóvel, orçado em R$ 20 milhões. O clube pagaria um preço mais alto e o dono repassaria para esse representante corintiano uma parte do valor. A proposta teria sido recusada pelo dono.
Escândalos à parte, a maior preocupação da diretoria no momento é antecipar o julgamento de Edílson na Comissão Disciplinar da FPF. O atacante foi expulso na vitória de 2 a 1 sobre a Ponte Preta, anteontem, em Campinas.
“Nós já acionamos o departamento jurídico do clube para que tome todas as providências legais a fim de conseguir antecipar a sessão, talvez para quinta-feira”, disse o diretor de futebol, Carlos Nujud. O caso está nas mãos do advogado do Corinthians, João Zanforlin.
Nei acredita que, caso o clube consiga a antecipação, o Capetinha tem boas chance de ser absolvido. “Ele sofreu uma entrada criminosa do Ronaldão. A reação dele em seguida foi natural a alguém que foi agredido, vítima de uma atitude antidesportiva”, comentou o dirigente corintiano.
Edílson, no entanto, reconhece que exagerou. “Eu não deveria ter xingado o árbitro. Mas ele tinha de ter expulsado o Ronaldão”, afirmou. Um dia não foi o suficiente para o atacante esquecer a arbitragem de Paulo José Danelon e Edílson Pereira de Carvalho. “Cabeça de árbitro é como bumbum de neném: a gente nunca sabe o que vai sair”, alfinetou.

Diretor vai à CBF para mudar data de jogo
(fonte: Gazeta Esportiva)

O diretor de futebol Carlos Nujud vai acordar hoje bem cedo para tomar um avião rumo ao Rio de Janeiro, onde tentará negociar com a CBF uma nova data para o primeiro confronto do Corinthians pela Copa do Brasil deste ano.
“Temos três jogos em três dias, o que é um absurdo”, disse Nujud, que espera conseguir o apoio da CBF.
O Corinthians joga dias 9 (contra o Rosário Central, no Pacaembu, pela Libertadores), 10 (Inter de Porto Alegre ou Botafogo do Rio de Janeiro, pela Copa do Brasil) e 11 (Rio Branco de Americana, pelo Campeonato Paulista).

Equipe sem medo da pressão argentina
(fonte: Gazeta Esportiva)

O Corinthians já está vacinado contra a pressão que vai sofrer amanhã, contra o Rosário Central. Os jogadores estão cientes das dificuldades que irão encontrar desde o desembarque na cidade de Rosário, mas garantem que estão preparado. “Não temos medo. Vai ser bom para jogarmos, pois poderemos aproveitar os contra-ataques”, disse o atacante Luizão. “Eu e o Edílson somos rápidos e gostamos de jogar com espaço”, completou.
Luizão é irônico quando comenta o que espera da arbitragem em solo argentino. “tomara que nesta vez seja correta”, disse o jogador, remetendo-se à polêmica atuação dos árbitros na vitória de 2 a 1 sobre a Ponte Preta.
Edílson reconhece que o Timão encontrará dificuldades em dobro, comparando o jogo de amanhã com o do último domingo. “A Libertadores é uma competição bem diferente. Será bem difícil porque eles jogam mais pesado, com mais virilidade. Não estamos acostumados a jogar assim aqui no Brasil. Isso sem falar que não conhecemos o adversário”, lembrou o atacante corintiano.
O Capetinha garante que a equipe não vai jogar defensivemente, mas admite que um empate será um ótimo resultado. “Teremos mais tranqüilidade para decidir em casa”, disse o jogador. A segunda e decisiva partida será realizada na próxima terça-feira, no Estádio do Pacaembu.

Viagem — A delegação embarca para a Argentina esta manhã, em um vôo marcado para as 9h50, no Aeroporto Internacional de Cumbica. Na quinta-feira, o elenco retorna e recebe folga geral. O clube já providenciou segurança reforçada desde a chegada.

Fábio Luciano não pega o Rosário
(fonte: Gazeta Esportiva)

O zagueiro Fábio Luciano sofreu uma contratura muscular na coxa direita, no jogo de domingo contra a Ponte, e ficará afastado da equipe de sete a dez dias. O jogador já é desfalque certo para a partida desta quarta-feira, contra o Rosário Central, na Argentina.
“Fiquei muito chateado. Achei que não seria nada demais, mas fiz um exame que detectou a contratura”, afirmou o zagueiro, bastante chateado.
Fábio Luciano deixou o gramado do Moisés Lucarelli no meio do segundo tempo, logo depois de sentir uma fisgada na coxa. “Na hora que senti parei na hora. Senão poderia agravar ainda mais a lesão”.
No melhor estilo corintiano, o jogador acha que terá condições de se recuperar para o clássico de domingo, contra o Palmeiras. “Ainda tenho esperança de jogar o clássico”, afirmou.
Se por um lado o técnico Oswaldo de Oliveira perdeu Fábio Luciano, por outro ganhou o reforço de Adílson que, recuperado de um torcicolo, já estará à disposição para a partida contra o time argentino.

01/05

Luizão faz a diferença
(fonte: Gazeta Esportiva)

O atacante Luizão mostrou mais uma vez por que é conhecido como o ‘Carrasco da Macaca’, ontem à tarde, no “Moisés Lucarelli”. O jogador costuma se dar bem quando enfrenta a Ponte Preta, desde as categorias de base do Guarani, e mais uma vez fez a diferença, fazendo um gol e dando passe preciso para Daniel no segundo. Desde que chegou ao Corinthians, Luizão vem lidando com as críticas da exigente torcida alvinegra. O jogo de ontem poder ter servido para a Fiel enfim abrir sem receio os s braços para o matador.
O atacante não escondia a satisfação pelo resultado, mas acha que poderia ter dado mais gols de presente para os corintianos. Na sua opinião, os culpados pela equipe não ter feito mais festa em Campinas foram os árbitros. “Esse negócio de dois juízes complica o futebol. Eu fiz outro gol que foi anulado. Acho que não estava impedido”, reclamou Luizão logo após o jogo.
Outro motivo de descontentamento por parte dos corintianos foi a expulsão de Edílson, no fim do jogo. O atacante recebeu falta violenta de Ronaldão, reclamou e acabou punido. “Este tipo de coisa contra o Corinthians não pode acontecer. Tem coisas que a gente não gosta de falar, mas não agüenta”, desabafou Ricardinho.
Torcicolo — O zagueiro Adílson estava escalado, mas foi vetado poucas horas antes do jogo e deu lugar a João Carlos. Segundo o departamento médico do Corinthians, Adílson acordou ontem com torcicolo, que o deixou sem consições de jogo.
O técnico Oswaldo de Oliveira teve mais um problema na zaga durante o jogo. O zagueiro Fábio Luciano saiu de campo reclamando de dores musculares. “Amanhã vamos avaliá-lo melhor para saber da gravidade da lesão”, avisou o médico Joaquim Grava.

Timão arranca com o pé direito
(fonte: Gazeta Esportiva)

O Corinthians iniciou a terceira fase do Campeonato Paulista com o pé direito, ao vencer a Ponte Preta por 2 a 1, ontem à tarde, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.
No primeiro tempo, antes de abrir o placar, o Corinthians teve duas boas chances em chutes de Ricardinho de fora da área. Aos 13 minutos, ele concluiu para defesa de Adriano. Três minutos depois, o meia pôs mais veneno na bola e o goleiro ponte-pretano teve de buscar no ângulo esquerdo, colocando para escanteio.
Do lado da Ponte, os atacantes Macedo e Fabiano tiveram pouco espaço.
O Corinthians abriu o placar com gol de Luizão, de cabeça, aos 43 minutos, após receber cruzamento de Edílson.
Narcízio, que entrou no segundo tempo no lugar de Roberto, perdeu chance clara de gol aos quatro minutos, ao chutar para fora cara a cara com Dida. Aos 17, Luizão fez bela jogada e lançou Daniel. O lateral avançou e tocou no canto, na saída de Adriano. O atacante Adrianinho diminuiu com gol de pênalti, aos 37. Edílson foi expulso no fim.

Ficha técnica - Ponte Preta 1 x 2 Corinthians
(fonte: Gazeta Esportiva)

Ficha técnica
Ponte Preta 1
Adriano; Zé Carlos (Roberto Carlos), André Santos, Ronaldão e André Silva; Roberto (Narcízio), Mineiro, Vânder e Dionísio; Macedo (Adrianinho) e Fabiano. Técnico: Estevam Soares.

Corinthians 2
Dida; Daniel, Fábio Luciano (Batata), João Carlos e Kléber; Vampeta, Edu, Marcelinho (Marcos Senna) e Ricardinho (Márcio Costa); Edílson e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP).
Data: 30/04/2000. Horário: 17h
Árbitros: Edílson Pereira de Carvalho e Paulo José Danelon.
Assistentes: Carlos Donizeti Pianosqui e Marinaldo Silveiro.
Gols: Luizão aos 43 minutos do 1º tempo; Daniel, aos 17, e Adrianinho aos 37 minutos do 2º tempo.
Cartões amarelos: Fabiano e Ronaldão (Ponte Preta); Daniel, Vampeta e Fábio Luciano (Corinthians).
Cartão vermelho: Edílson.

É hora de pensar no Rosário Central
(fonte: Gazeta Esportiva)

O elenco do Corinthians terá de levar ao pé da letra o Dia do Trabalho e não vai ter folga no feriado de hoje. O grupo se reapresenta no Parque São Jorge para um leve treino de reforço muscular. Amanhã, a delegação alvinegra embarca para a Argentina no vôo das 12h51. O Timão enfrenta o Rosário Central, na quarta-feira, no primeiro duelo das equipes pelas oitavas-de-final da Copa Libertadores da América.
O duelo contra os argentinos será apenas um de uma série que o Corinthians terá no mês de maio. Para se ter uma idéia, a equipe tem três jogos marcados pata três dias seguidos. No dia 9, acontece o segundo e decisivo jogo contra o Rosário, pela Libertadores, no Estádio do Pacaembu. No dia 10, terá de estrear na Copa do Brasil contra Inter-RS ou Bota-RJ, que ainda disputam a classificação. No dia 11, o adversário é o Rio Branco, pelo Campeonato Paulista.
O técnico Oswaldo de Oliveira inclusive pediu à diretoria do Corinthians para tentar transferir a estréia do Timão na Copa do Brasil, a fim de evitar esta seqüência desgastante de compromissos. O treinador não se conforma com mais essa armadilha do calendário. “Eu considero um absurdo uma coisa dessas. Eu não me lembro de ter passado por isso na minha carreira”, afirmou o comandante corintiano.
Quando fala na maratona de jogos, o técnico não se preocupa somente com o futuro da equipe nas três competições que disputa. Oswaldo de Oliveira também pensa naqueles que pagam ingresso para ver o Timão em campo.
“Com tudo isso, quem perde é o torcedor. Com uma quantidade absurda de jogos, o jogador acaba não conseguindo desenvolver todo o seu futebol e o nível do espetáculo cai”, comentou o treinador, que pretende antecipar a renovação de seu contrato com o clube, que vence em junho.

 

Voltar